Boletim Seridoense - Cultura, política e comportamento. Colaboracoes sao benvindas. e-mail: dedeabel@msn.com


14/06/2008


CORRUPCAO

Filho da governadora do RN e mais 12 são presos pela PF

Ação desarticula suposto grupo que

fraudava licitações na Secretaria da Saúde do Estado



Além de Lauro Maia, estão entre os outros detidos

a procuradora Rosa Câmara e

o secretário-adjunto de Esportes do RN, Bahia Neto

Marcelo Barroso - 8.nov.05/"Tribuna de Natal"

Lauro Maia, acusado de atuar em esquema em prol de empresas

DA AGÊNCIA FOLHA
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

A Polícia Federal prendeu ontem na Operação Hígia o filho da governadora do Rio Grande do Norte,

Wilma de Faria (PSB), e outras 12 pessoas em ação para desarticular uma suposta quadrilha que

fraudava licitações para contratação de serviços superfaturados pela Secretaria da Saúde do Estado.

A PF avalia que os desvios de dinheiro público tenham alcançado R$ 36 milhões em cerca de três anos.

As apurações começaram no final de 2005.
Um dos quatro filhos da governadora, o advogado Lauro Maia, 42, preso na operação, trabalhou até

último dia 9 como assessor do deputado federal Rogério Marinho (PSB-RN).

Foram presos o secretário-adjunto de Esportes do RN, João Henrique Lins Bahia Neto,

 e Rosa Maria Câmara, procuradora do Estado. Seis servidores estaduais foram detidos

sob suspeita de corrupção e tráfico de influência em contratações emergenciais.

Os outros presos são ligados às empresas do suposto esquema.
Amigo da governadora, Bahia Neto trabalhou no gabinete de Wilma até o final de seu

 primeiro mandato (2003-2006). A procuradora é suspeita de ter recebido propina para

apresentar pareceres favoráveis às firmas ligadas às fraudes.

Segundo o Ministério Público Federal, Lauro Maia trabalhou no gabinete de sua mãe

e como assessor parlamentar de seu pai, o deputado estadual Lavoisier Maia (PSB).

Lauro Maia e Bahia Neto são suspeitos de ter usado influência política para beneficiar

empresas do suposto esquema. A Procuradoria informou não haver provas de que

 Wilma soubesse ou participasse das fraudes.
Ontem à noite, o Tribunal Regional Federal da 5ª Região, com sede em Recife,

negou habeas corpus para Lauro Maia, Rosa Câmara e Bahia Neto.

Segundo a PF, ao menos quatro empresas se associavam para combinar preços e

 condições das propostas apresentadas à Saúde estadual. Os contratos tinham

como objeto serviços de higienização hospitalar e de locação de mão-de-obra.
As empresas se revezavam para vencer as licitações e rateavam o valor a ser pago.

A divisão do dinheiro era mensal, diz a PF, e o pagamento chegava a R$ 2,4 milhões ao mês.


As investigações apontam irregularidades na assinatura de aditivos aos contratos.

Para que propostas com preços superiores aos de mercado fossem aceitas,

 empresários pagavam propina a pessoas ligadas ao governo.

A PF cumpriu 42 mandados de busca e apreensão.
A ação foi um desdobramento da Operação União, de 2005, que investigou

 irregularidades em licitações na Secretaria da Saúde.

(MATHEUS PICHONELLI, JOÃO CARLOS MAGALHÃES E LUCAS FERRAZ)

Categoria: Direito
Escrito por Flavio DeABel às 13h20
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

12/06/2008


ERRO JUDICIARIO

Erro em grampo levou a prisão de engenheiro

DA REPORTAGEM LOCAL

Em 18 de maio de 2004, o engenheiro civil Hugo Sterman Filho deixou a carceragem da Polícia Federal de São Paulo sem saber por que havia entrado. Sua prisão, como a Justiça reconheceu no final de 2007, foi um erro -um dos mais clamorosos em operações da PF no país.


Sterman Filho foi confundido com outro Hugo citado em interceptações telefônicas feitas com ordem judicial no decorrer da Operação Anaconda, em 2003, que investigava suposta venda de sentenças na Justiça Federal de São Paulo. A polícia, o Ministério Público e o Judiciário demoraram onze longos dias para reconhecer os protestos dos advogados de Sterman Filho, que desde o início alegaram erro judicial.

Cópia do processo que trata do erro foi entregue à CPI do Grampo, em Brasília, pelo advogado Alberto Toron.
Em 2007, Sterman Filho obteve uma indenização de R$ 550 mil da União.
Aparentemente, segundo as explicações feitas pela PF e pelo Ministério Público no processo em que o engenheiro pediu a indenização, o problema ocorreu quando um grupo de policiais esteve na empresa sob investigação e um "porteiro", até agora não identificado, teria informado que Sterman Filho era sócio da empresa, relação que nunca existiu.

A partir dessa menção em um único relatório de inteligência, de outubro de 2003, houve uma série de omissões e descontroles que culminaram na prisão de Sterman Filho seis meses depois. (RV)

Categoria: Direito
Escrito por Flavio DeABel às 22h15
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

COISA PUBLICA

Escrito por Flavio DeABel às 22h14
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

DEM E PSDB

Ricardo Duarte/Agência RBS
FOGO AMIGO Paulo Feijó (DEM), vice-governador do RS, em entrevista
em que disse que empresário acusado de desvio arrecadou verba para a governadora Yeda Crusius (PSDB)

Escrito por Flavio DeABel às 22h11
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

FOLHA SP

Rápidas

PAULINHO AFASTADO

Suspeito de participação em desvios de empréstimos do BNDES, o deputado Paulo Pereira da Silva (SP), o Paulinho da Força, pediu afastamento da presidência do Diretório Estadual do PDT paulista. Ele também se licenciou do cargo que detém na Executiva Nacional pedetista. Brasil

SUSPEITA DE PLÁGIO NA USP
Três alunos da Faculdade de Direito da USP formalizaram um recurso contra a nomeação de um professor ao posto de titular (ápice da carreira docente) sob a alegação de que sua tese avaliada no processo de seleção tem indícios de plágio. O professor nega. Cotidiano

ITUNES NO BRASIL
Cinco anos após seu lançamento nos EUA, a Apple deve trazer o iTunes, a sua loja virtual, ao Brasil. O site venderá música, vídeos e filmes. O preço de cada música deverá ficar em torno de R$ 2. Catálogo tem cerca de 6 milhões de músicas digitalizadas, incluindo álbuns brasileiros.


CULTURA EM SP
O secretário de Cultura de São Paulo, João Sayad, diz suspeitar de boicote do Ministério da Cultura ao Estado, que estaria configurado em negativa a projetos de instituições como a TV Cultura e a Pinacoteca, inscritos na Lei Rouanet. Ministério nega boicote.

ATAQUE DE TUBARÃO
Um adolescente de 14 anos foi atacado por um tubarão em uma praia de Olinda. Ele teve uma lesão na panturrilha esquerda e fraturou o pé esquerdo. Segundo o Corpo de Bombeiros de Pernambuco, o jovem foi atacado quando surfava em uma área proibida, a cerca de 40 metros da praia.

ACUSADOS DE TERRORISMO
A Câmara baixa britânica aprovou projeto de lei que amplia de 28 para 42 dias o período máximo de prisão sem acusação formal de um suspeito de terrorismo.

Escrito por Flavio DeABel às 22h10
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

FOLHA SP

Rápidas

PAULINHO AFASTADO

Suspeito de participação em desvios de empréstimos do BNDES, o deputado Paulo Pereira da Silva (SP), o Paulinho da Força, pediu afastamento da presidência do Diretório Estadual do PDT paulista. Ele também se licenciou do cargo que detém na Executiva Nacional pedetista. Brasil

SUSPEITA DE PLÁGIO NA USP
Três alunos da Faculdade de Direito da USP formalizaram um recurso contra a nomeação de um professor ao posto de titular (ápice da carreira docente) sob a alegação de que sua tese avaliada no processo de seleção tem indícios de plágio. O professor nega. Cotidiano

ITUNES NO BRASIL
Cinco anos após seu lançamento nos EUA, a Apple deve trazer o iTunes, a sua loja virtual, ao Brasil. O site venderá música, vídeos e filmes. O preço de cada música deverá ficar em torno de R$ 2. Catálogo tem cerca de 6 milhões de músicas digitalizadas, incluindo álbuns brasileiros.


CULTURA EM SP
O secretário de Cultura de São Paulo, João Sayad, diz suspeitar de boicote do Ministério da Cultura ao Estado, que estaria configurado em negativa a projetos de instituições como a TV Cultura e a Pinacoteca, inscritos na Lei Rouanet. Ministério nega boicote.

ATAQUE DE TUBARÃO
Um adolescente de 14 anos foi atacado por um tubarão em uma praia de Olinda. Ele teve uma lesão na panturrilha esquerda e fraturou o pé esquerdo. Segundo o Corpo de Bombeiros de Pernambuco, o jovem foi atacado quando surfava em uma área proibida, a cerca de 40 metros da praia.

ACUSADOS DE TERRORISMO
A Câmara baixa britânica aprovou projeto de lei que amplia de 28 para 42 dias o período máximo de prisão sem acusação formal de um suspeito de terrorismo.

Escrito por Flavio DeABel às 22h10
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

POLITICA

 

dedeabel@msn.com

O Brasil politico é uma graça. Estamos proximos das convencoes partidarias. As convencoes deveriam ser uma grande festa popular onde os projetos dos partidos seriam anunciados. Mas o que vemos sao as divisoes, as incompreensoes, os conchavos. O problema é que somos muito, muito divididos. Muitos partidos politicos. A combinaçao dos esforços sao complicados. Os interesses corporativos articulam de cima para baixo. Deveriamos nos unir em torno de projetos, de partidos.

Ao contrario, veremos palanques para todos os desgostos. Teremos o PT e PMDB num municipio. PT com PSDB noutro. O DEM em Sao Paulo nao alinha com o PSDB. Uma salada que nao compreendemos bem, embora saibamos que por tras estao os acordos maquinados nos gabinetes. As decisoes deveriam ser do povo em torno dos melhores programas dos melhores partidos. E teriamos resultados melhores.

Aqui no Seridó, a mesmissima situacao. Nao temos partidos politicos com propostas concretas, viaveis e de apoio popular. Tem os muitas divisoes, vendo amigos nossos em ambos os lados. Nao ha uma coerencia partidaria e eleitoral. Ora, se nossa fidelidade partidaria nos é dificultada pelas inumeras possibilidades de aliancas, de acordos, entao...   ...fica ate dificil articular qualquer pensamento coerente nesse tecido politico.

Um ajuste nacional na estrutura partidaria, ou seja, uma reforma politica partidaria e eleitoral, seria capaz de melhor adequar o tecido politico nacional. E oxala esse ajuste venha logo. Acho que com a possibilidade de Lula ser candidato, o terceiro mandato,  ou mesmo indicar e eleger o futuro Presidente, fara com que a elite economica nacional e internacional alinhe em prol da reforma.

No mundo nota-se um crescimento da direita. Italia, França, a direita reinando. Teremos a campanha nos Estados Unidos, quem ganha? O futuro das acoes politicas estao interligados. O mundo globalizado reage rapido. As corporacoes economicas reagem ao movimentos politicos. As eleicoes municipais no Brasil refletirao estas tendencias. Faremos a leitura dos votos e faremos as novas projecoes. Lula depende das aliancas, do resultado nas eleicoes municipais. Principalmente nas Capitais. Vilma depende do apoio Federal, que está sendo dividido entre a governadora e o Presidente do Senado.

O futuro prefeito de Caico depende desta conjuntura, das convencoes que se aproximam, das pesquisas de opiniao. O dinamismo entra em maior velocidade. As noticias chegam com novidades a toda hora. Nao existem projetos de desenvolvimento regional de modo a nos unir. Estamos nas maos dos acordos que envolvem esforcos federais, estaduais e municipais. As grandes aliancas gestadas nos gabinetes refrigerados das Capitais.

Nosso Serido sem a expressao economica de outrora aguarda as indicaçoes que partem dos postos graduados da administracao publica. Ainda estamos projetando nosso Distrito Industrial. Sentimos falta da articulaçao politica do setor privado e setor publico. Ha uma ausencia de lideres empresariais. Nossos lideres politicos sentem dificuldades de articular a sociedade em torno de um projeto com apoio popular. Ó razao, aonde estás para nos iluminar?

 

 

 

Noticia-nos a Folha, o retrato do Brasil de Hoje...Lá em Sao Paulo e cá no Rio Grande, situacoes de conflitos, indecisoes, incompreensoes...

 

Texto de convenção do DEM formaliza ruptura com PSDB. Para deixar uma brecha aos tucanos, DEM deixará com a Executiva a prerrogativa de incluir na coligação outro partido que venha a aderir. Esta situacao em Sao Paulo, segundo nos informa os jornalistas CATIA SEABRA e FERNANDO BARROS DE MELLO.

"Apesar de o prefeito de São Paulo Gilberto Kassab (DEM) repetir que está disposto a abrir mão da candidatura à reeleição em favor de um tucano, a ata da convenção do DEM e de seus aliados exclui o PSDB da chapa para as próximas eleições, formalizando a ruptura entre os dois partidos".

"Em reunião na última sexta-feira, o DEM e seus aliados (PMDB, PR e PV) definiram um padrão de ata para suas convenções. Pelo modelo, a convenção do DEM oficializará o nome de Gilberto Kassab".

 

 

Escrito por Flavio DeABel às 21h22
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

PENSANDO UM POUCO

 

Brasileiro?

Para entender o povo brasileiro precisamos estudar os movimentos sociais, os povos que habitam o solo brasileiro. A Sociologia volta aos bancos escolares. Ela pode nos ajudar a entender os movimentos sociais, e principalmente, entender a formacao do carater do brasileiro.

A cobica do mundo atua no Brasil. Nao temos um identidade racial porque somos muitos, de muitas origens. Dizem que uma das razoes do atraso brasileiro é que atraímos a cobiça do mundo que aqui explora. Por exemplo, nao ha um carro genuinamente brasileiro.

Automobilismo- Temos Fiat, Volks, GM, Peugeot, Renault, Kia.

Industria farmaceutica- Roche, Hoescht, Lily, Ciba-Geyger. 

Computadores- Dell, Semp Toshiba, Sony

Nao ha produtos genuinamente brasileiros. 

 

xxx.xxxxx

xxxxx.xxx

 

“Brasilidade é e somente pode ser o sentimento de profunda união com o solo [...] e a nação brasileira, [...], sem nenhuma tendência de imperialismo étnico por parte de qualquer etnia isolada”, já que o Brasil deve “servir de pátria” “para todas as raças e todos os povos representados no país” e não apenas ao luso-descendente.

Mário Maestri, 59, é historiador e professor do Curso e do Programa de Pós-Graduação em História da UPF. E-mail: maestri@via-rs.net

Escrito por Flavio DeABel às 03h36
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

CANTORA

Eduardo Knapp/Folha Imagem
Marisa Orth ensaia canções do show "Romance - Volume 2' com sua banda, em São Paulo

Escrito por Flavio DeABel às 03h23
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

CRISE POLITICA NO RIO GRANDE

RENATA LO PRETE

Mensageiro 1. O elo entre o empresário Lair Ferst, pivô do escândalo do Detran gaúcho, e Yeda Crusius (PSDB-RS) é Marcelo Cavalcante, degolado pela governadora na esteira da crise. Cavalcante, que trabalhou no gabinete da tucana quando deputada, vinha chefiando a representação do Estado em Brasília.

Mensageiro 2. Quando o nome de Lair foi arrastado para o escândalo, o empresário entregou nas mãos de Cavalcante uma carta para Yeda na qual se eximia de culpa.

Onde pega. O esforço para recompor a base parlamentar de Yeda esbarra, entre outras dificuldades, na resistência do PP em aceitar que o deputado federal tucano Cláudio Diaz fique com a Casa Civil.

Profecia. Breve comentário de um grão-tucano para outro, assim que Yeda venceu a eleição no Rio Grande do Sul em 2006: "Reze".

Escrito por Flavio DeABel às 03h18
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

MENTIRA

WWW.BLOGDEMACAURN.BLOGSPOT.COM:

TRINTA MENTIRAS

1. ADVOGADO: - Esse processo é rápido.
2. AMBULANTE: - Qualquer coisa, volta aqui que a gente troca.
3. ANFITRIÃO: - Já vai? Ainda é cedo!
4. ANIVERSARIANTE: - Presente? Sua presença é mais importante.
5. BÊBADO: - Sei perfeitamente o que estou fazendo.
6. ENFERMEIRA: - Não se preocupe, essa injeção não dói nada.
7. CORRETOR DE IMÓVEIS: - Em 6 meses colocarão: água, luz e telefone.
8. DELEGADO: - Tomaremos providências.
9. DENTISTA: - Não vai doer nada.
10. DESILUDIDA: - Não quero mais saber de homem.
11. DEVEDOR: - Amanhã, sem falta!
12. POLÍTICO: - Se eu ganhar a eleição eu resolvo isso.
13. FILHA DE 17 ANOS: - Dormi na casa de uma colega.

14. FILHO DE 18 ANOS: - Antes das 11 estarei de volta.
15. GERENTE DE BANCO: - Temos as taxas mais baixas do mercado.
16. INIMIGO DO MORTO: - Era um bom sujeito.
17. JOGADOR DE FUTEBOL: - Vamos continuar trabalhando e forte.
18. LADRÃO: - Isso aqui foi um homem que me deu.
19. MECÂNICO: - É o carburador.
20. MUAMBEIRO: - Tem garantia de fábrica.
21. NAMORADA: - Pra dizer a verdade, nem beijar eu sei.
22. NAMORADO: - Você foi a única mulher que eu realmente amei.
23. NOIVO: - Casaremos o mais breve possível!
24. ORADOR: - Apenas duas palavras…
25. POBRE: - Se eu fosse milionário espalhava dinheiro pra todo mundo.
26. RECÉM-CASADO: - Até que a morte nos separe.
27. SAPATEIRO: - Depois alarga no pé.
28. SOGRA: - Em briga de marido e mulher não me meto.
29. VAGABUNDO: - Há 3 anos que procuro trabalho mas não encontro.
30. VICIADO: - Essa vai ser a última.

Escrito por Flavio DeABel às 02h49
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

FATIMA E SALOMAO

09/06/2008

Janduis sáude a companheira Fátima Bezerra e agradece por tudo:Novas Vitórias, brava filha da terra de Nhandui!  Fátima recebeu o Título de Cidadã Janduiense pela ajuda á realização de grandes obras, do calçamento de ruas à educação, da quadra de esportes à cultura. Em menos de 3 anos, foram mais de 5 milhões de reais...

Categoria: Politica
Escrito por Flavio DeABel às 02h40
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

COMIDA

BOLETIM MINEIRO:

INTERNACIONAL


Artigo do Paul Singer, enviado pelo amigo Guilherme Souto

Paul Singer:
O futuro chegou - crise alimentar e energética
O preço do petróleo está batendo recordes quase diariamente. No momento, ele gira ao redor de 130 dólares o barril. O índice dos preços de alimentos da FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) foi, em média, 127 em 2006 e 157 em 2007, subindo para 220 em março de 2008 (1998-2000 = 100). Nunca em tempos de paz houve pressões inflacionárias tão violentas a partir do encarecimento de bens essenciais. Por Paul Singer*

Eis a grande novidade dessa dupla crise que se deve às mesmas causas: a redução da pobreza em grandes países periféricos, como a China, a Índia e o Brasil (além de outros), que expandiu fortemente a demanda por derivados de petróleo e por alimentos "nobres" -carne e laticínios, cuja produção exige muito mais trabalho humano, energia e recursos naturais não renováveis, como terra e água.
 
A elevação dos preços do petróleo e da comida deveria provocar um aumento de sua produção, pois seu encarecimento a torna mais lucrativa. Mas a elevação da produção alimentar esbarra na disponibilidade de terra e água, limitada pela sua poluição pelos elementos químicos utilizados pelos agricultores. O mesmo vale para o aumento da produção de petróleo, limitado pelas reservas exploráveis.
 
Estamos nos defrontando com um cenário que Celso Furtado previu em 1974, quando escreveu "O Mito do Desenvolvimento Econômico". Ele sustentava que era um mito esperar que o desenvolvimento econômico dos países do Terceiro Mundo lhes permitiria alcançar o nível de vida usufruído apenas pelos povos do Primeiro Mundo, porque não haveria recursos naturais suficientes para que isso pudesse acontecer.
 
Quase um terço de século decorreu desde então, e o que parecia na época um exagerado temor malthusiano tornou-se consensual, sobretudo desde que se comprovou que o clima da Terra está aquecendo, com conseqüências danosas para os recursos naturais do planeta.
A nova classe média nos países chamados de emergentes passou a ter dinheiro para alcançar o padrão de vida de sua congênere do Primeiro Mundo. Essa mudança seria desejável se ela não impactasse desfavoravelmente sobre a grande massa que continua pobre.
 
A carestia da comida, causada pelo aumento da demanda dos ex-pobres, empobrece ainda mais os que já gastam a maior parte do que ganham para alimentar a família. Os cereais que lhes mataria a fome tendem agora a ser dados aos animais cujos derivados alcançam preços cada vez mais atraentes.
O funcionamento do mercado mundial de alimentos produz "naturalmente" esses efeitos perversos. Motins da fome estouram em cada vez mais países e, de acordo com a FAO, em 37, dos quais 21 africanos, há crise alimentar.
 
Premidos pelo desespero dos famintos, cada vez mais governos (inclusive o brasileiro) tratam de restringir a exportação de alimentos básicos para garantir o abastecimento do mercado interno. O que naturalmente agrava a situação dos pobres nos países que dependem de alimentos importados.
A ONU, alarmada com a gravidade da situação, está solicitando das nações mais ricas recursos para impedir que a fome se alastre pelo mundo, pondo em risco não só o combate à pobreza mas também a paz mundial.
 
Governos terão de adotar medidas de emergência para garantir um abastecimento alimentar mínimo a todos: estatizar os estoques de alimentos para evitar que sejam açambarcados pelos que têm dinheiro para formar estoques privados. E racionar a sua venda, por preços que os mais pobres possam pagar; eventualmente, taxar mais os alimentos derivados de animais para possibilitar o aumento da produção dos alimentos vegetais, indispensáveis à nutrição do conjunto da população; taxar também os derivados de petróleo, para reduzir a utilização do transporte individual e aumentar a do transporte coletivo.
 
A crise alimentar e energética poderá talvez ser contida por medidas como essas, mas sua resolução exigirá mudanças mais profundas.
Os padrões de consumo terão de ser acomodados à real disponibilidade de recursos naturais, e esta deverá ser alargada por mais investimentos no aumento da produção agrícola sustentável do ponto de vista social e ambiental.
As crises energética e da mudança climática terão de ser resolvidas pelo desenvolvimento de fontes renováveis de energia limpa, única maneira de acabar com as emissões de gases resultantes da queima de combustíveis fósseis.
 
A crise alimentar não pode deixar de limitar, em alguma medida, a produção de agrocombustíveis, de modo que o desenvolvimento de outras fontes de energia – solar, eólica, hidráulica – terá de receber prioridade.
* Paul Singer é economista, professor titular da Faculdade de Economia e Administração da USP e secretário nacional de Economia Solidária do Ministério do Trabalho e Emprego

Escrito por Flavio DeABel às 02h08
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

BRASILEIRO, QUEM SOIS?

FALANDO DE HISTORIA

Não Existe Um Povo Brasileiro
Mário Maestri* (www.novae.inf.br)


A cultura, língua, história, tradições, etc. luso-brasileiras não podem e não devem ser tidas como as únicas do Brasil. Isso constitui desrespeito e agressão às outras nacionalidades do país, sobretudo porque, sendo essa nação “um país típico de imigração”, “não existe”, no frigir dos ovos, “um povo brasileiro”, mas um “Estado brasileiro, no qual vivem diversos povos”, descendentes de lusitanos, de alemães, de italianos, de africanos, etc. O Brasil deve “servir de pátria” para “todos os povos” de sua terra.
 
O Estado brasileiro não deve assegurar privilégios, mas garantir a todas os grupos étnicos que constituem a comunidade nacional, “equivalentes e equiparados” direitos de língua, cultura, escola, etc. O reconhecimento ao ensino da história singular de cada comunidade constitui elemento fundamental, “porque somente então” cada uma delas “se reconhecerá como um fator que faz história, e saberá se libertar da sua posição de inferioridade [...].” O monopólio político do “luso-brasileiro” deve dar lugar à representação dos diversos grupos étnicos, já “que nada há, neste mundo, que não tenha sido criado pelos homens – e mesmo que no momento pareça solidamente construído – nada há que não possa ser [...] reconstruído pelos mesmos.”
 
“Brasilidade é e somente pode ser o sentimento de profunda união com o solo [...] e a nação brasileira, [...], sem nenhuma tendência de imperialismo étnico por parte de qualquer etnia isolada”, já que o Brasil deve “servir de pátria” “para todas as raças e todos os povos representados no país” e não apenas ao luso-descendente.
 
Essa proposta de democratização do Brasil, através de sua racialização, ou seja, do reconhecimento dos direitos de expressão, organização e representação singular dos diversos grupos étnicos que integram a comunidade nacional, que sintetizamos, foi apresentada, em Benneckenstein, em 19-22 de março de 1937, no 3º Congresso Anual do Círculo Teuto-Brasileiro de Trabalho de Berlim, na Alemanha nazista. [1]
 
Destaque-se que esse programa racista procuravam interpretar direitos democráticos efetivamente desrespeitados, sobretudo das comunidades rurais teuto-brasileiras do sul do Brasil, mantidas, mais ou menos, nos cem anos anteriores, com destaque para o período imperial, em inferioridade lingüística, cultural e política, apesar de importante contribuição à sociedade nacional.
 
A retórica racial nazista enfatizava, corretamente, o monopólio luso-brasileiro, absolutizando as aparências raciais e desconhecendo as essências sociais. Literalmente soterrava o fato de que o monopólio era exercido prioritariamente por classe dominante com luso-ascendência, e não por aquela comunidade como um todo. Essa interpretação racial da realidade social era imprescindível à conquista nazista do direito de representação dos teuto-brasileiros, no contexto de novas instituições nacionais que mantivessem a velha ordem classista, também em relação à comunidade explorada de origem alemã.
 
A retórica racista encobriu sempre a militância anti-social nazi-fascista. O poder fora entregue pelo capital, na Itália, ao fascismo, em 1922, e na Alemanha, ao nazismo, em 1933, para jugularem o movimento operário que assaltava a ordem capitalista, restaurando hegemonia e dominação fraturadas. No Brasil e no mundo, as propostas de racialização almejavam substituir os interesses comuns dos explorados por identidades fantasmagóricas de etnia, consolidando e não superando a opressão de classe.
 
O fato de que essa proposta impugnava a construção-consolidação de Estado-nação brasileiro, mesmo sob hegemonia das classes dominantes nacionais, então em fortalecimento, explica o comportamento contraditório dessas últimas, expresso pela ditadura de Getúlio Vargas – simpatia ideológica ao nazi-fascismo e repressão à sua organização e desenvolvimento no Brasil.
O programa de racialização nazi-fascista foi combatido pela política de nacionalização autoritária do Estado Novo [1937-45] e superadas com a derrota do Eixo, em 1945.
 
Sobretudo, foi ultrapassado pela integração das comunidades de descendentes de italiano e alemães e com o fortalecimento do Estado-nação ensejado pelo empuxe nacional-desenvolvimentista. Nos dias atuais, também no Brasil, a mundialização capitalista enseja a retomada das propostas de racialização, como meio de fragilização do movimento social e dos vínculos nacionais dos Estados periféricos. * Mário Maestri, 59, é historiador e professor do Curso e do Programa de Pós-Graduação em História da UPF. E-mail: maestri@via-rs.net

Escrito por Flavio DeABel às 02h02
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

11/06/2008


O CASO LANCELOTTI

Luciano Amarante/Folha Imagem
Anderson Batista reencontra Evandro Guimarães, ambos absolvidos do processo de extorsão de dinheiro do padre Júlio Lancelotti

Escrito por Flavio DeABel às 08h24
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

ARMACAO

Desembargador sugere que casal armou entrevista

DA REPORTAGEM LOCAL

Um dos desembargadores que julgaram o pedido de liberdade do casal Nardoni, Caio Canguçu de Almeida, afirmou em seu voto que um dos motivos para manter a prisão dos dois é a de que há "fortes indicativos [...] que teriam logrado obter declaração a um jornal da capital do pedreiro Gabriel Santos Neto".

Neto, que trabalhava em uma obra nos fundos do edifício London, onde o casal morava, afirmou à Folha que, na mesma noite do assassinato da menina Isabella, ocorreu um arrombamento no local. Depois, em depoimento à polícia, ele negou as afirmações.
Diferentemente do que sugere o desembargador, Santos Neto foi localizado pela Folha no dia 9 de abril (o crime ocorreu na noite de 29 de março), durante reportagem com os vizinhos do casal Nardoni.

Operários que trabalhavam num sobrado na rua atrás do edifício London informaram que Santos Neto dormia na obra.
O endereço de Santos Neto, que estava naquele dia em outra obra, foi fornecido pelo também operário João Francisco Sales. Ao ser encontrado, o pedreiro disse que no domingo seguinte ao assassinato de Isabella encontrou o portão da frente do sobrado arrombado.

O pedreiro afirmou não ter comunicado o fato à polícia porque nada havia sido roubado da obra.
A mesma versão foi repetida pelo pedreiro ao seu chefe, conforme reportagem do "SPTV" (da Rede Globo) veiculada no dia 10 de abril.
Em seu voto, o desembargador não diz quais seriam os "fortes indicativos" que o levaram a acreditar que o casal Nardoni apresentou o pedreiro ao jornal.
(ROGÉRIO PAGNAN)

Categoria: Direito
Escrito por Flavio DeABel às 08h23
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

JUSTICA

TJ mantém prisão de Nardoni e Anna Jatobá

Em julgamento do mérito do habeas corpus, os 3 desembargadores votaram a favor da prisão do pai e da madrasta de Isabella

Acusado de assassinato, casal Nardoni cumpre prisão preventiva desde 7 de maio; defesa estuda entrar com novo pedido no STJ

DA REPORTAGEM LOCAL

O Tribunal de Justiça de São Paulo negou ontem o pedido de liberdade de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá. Eles são acusados do assassinato de Isabella, 5, filha de Nardoni, em 29 de março.

O mérito do habeas corpus foi julgado pelos desembargadores Caio Canguçu de Almeida -relator do processo-, Luis Soares de Mello Neto e Euvaldo Chaib Filho, da 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça. Todos eles votaram a favor de que o casal continue cumprindo prisão preventiva. Nardoni e Anna Carolina estão presos desde 7 de maio.

O desembargador Canguçu já havia negado, em 13 de maio, um pedido de liberdade provisória para o casal em caráter liminar. O STJ (Superior Tribunal de Justiça) também negou pedidos semelhantes feitos pela defesa no mês passado.
Em seus votos, os magistrados justificaram a manutenção da prisão do casal alegando que há indícios de autoria do crime que apontam para Nardoni e Anna Carolina. Eles alegam ainda que a ordem pública precisa ser mantida e que os acusados poderiam atrapalhar o andamento do processo judicial.

Canguçu afirmou, em sua decisão, que o clamor público e a necessidade de preservar o respeito à Justiça se aliam à certeza da existência de um fato criminoso e a "veementes indícios de autoria" do crime para justificar a prisão preventiva.
O magistrado disse também que a Justiça não precisa de uma prova cabal para manter a prisão provisória dos acusados e citou em sua decisão indícios levantados pela polícia e pelos peritos, como o sangue humano encontrado no carro.

"Entendi que no caso há indícios veementes de autoria, decorrentes da presença de marcas do pé dele [Nardoni] na cama e de sinais do material da rede de proteção no corpo dele", afirmou.
Canguçu argumentou ainda que a prisão preventiva se justifica na medida em que o casal teria limpado sangue da cena do crime e poderia influenciar depoimentos de testemunhas.

O desembargador Mello, por sua vez, fez elogios ao trabalho da polícia. "Todos os momentos processuais e tudo o que estes autos mostram apontam direta e objetivamente para o casal impetrante e para mais ninguém, tanto assim que [foram] denunciados, após o término da minuciosa -e digna de elogios, repita-se- investigação policial", disse o magistrado.

Marco Polo Levorin, um dos advogados do casal, afirmou que estuda a possibilidade de entrar com um novo pedido de habeas corpus no STJ.
"Estamos convictos sobre a ausência dos requisitos que autorizam a prisão preventiva. Respeitamos a decisão do Judiciário, porém temos entendimento diferente. Vamos agora analisar a decisão e, se for conveniente, vamos recorrer ao STJ", disse Levorin.
Ontem, ele fez críticas aos magistrados, sobre os laudos produzidos pela perícia.


Colaborou o "Agora"

Categoria: Direito
Escrito por Flavio DeABel às 08h22
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

MOBILIDADE PARA VOCE

canal aberto

José Antonio Ramalho -
canalaberto@uol.com.br

Acesse seu computador de qualquer lugar

Um dos problemas que enfrento com maior freqüência quando viajo é a falta de determinados programas que me são úteis no dia-a-dia nos micros aos quais tenho acesso. Programas clientes de e-mail, mensageirosinstantâneos editorres de imagem, entre outros.

Às vezes é possível baixar alguns programas na internet e resolver o problema, outras vezes, não. Se você passa por esses problemas sugiro que comece a usar o programa Lupo Pen Suite, que é um verdadeiro quebra-galhos para quem depende de computadores.
O software é, em sua essência, uma interface que agrupa cerca de 180 programas que são, em sua maioria, gratuitos e podem ser obtidos individualmente em vários sites de down-load. Entre as áreas contempladas estão internet, multimídia, gráficos, sistema, utilitários, segurança e jogos.

O melhor de tudo é que os programas são instalados de forma a não alterarem o registro do Windows na máquina em que estão rodando -nenhum dos aplicativos necessita de instalação. Também é possível configurar a suíte para ser iniciada assim que o dispositivo for inserido no computador.
Dessa forma, instalados em um pendrive, você poderá levar navegador, programa de e-mail, tocador de MP3, reprodutor de vídeo, programa de edição de imagens e utilitários de disco para qualquer local.

Se estiver viajando, basta espetar o pendrive num micro de um cibercafé e trabalhar com seus programas e arquivos cotidianos.
Entre os programas encontrados, você verá: Firefox, navegador; PixaMSN, que é um mensageiro compatível com o MSN Messenger; Thunderbird, que é o cliente de e-mail da fundação Mozilla; Emule; SMPlayer; InfraRecorder; DVDShrink; Gimp, Shutter; Google Docs e AbiWord.

Para baixar o programa, entre no site superdownloads.uol.com.br/download/50/lupo-pen-suite-full-version. O download pode demorar bastante, dependendo da velocidade da conexão, pois o arquivo tem cerca de 152 Mbytes.
Para instalar o programa, dê um duplo clique sobre o arquivo executável baixado e siga as instruções. Você pode instalar o programa no seu disco rígido ou, o mais recomendável, em qualquer mídia removível -nesse caso você deve ter um pendrive com pelo menos 512 Mbytes livres.
Embora ele funcione com pendrives de 256 Mbytes, é bom ter espaço para armazenar os seus arquivos de trabalho no próprio pendrive.

Escrito por Flavio DeABel às 08h19
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

PEQUENOS SURFANDO

Graham Hughes, The Canadian Press/Associated Press
Em sua casa em Québec, no Canadá, Zackary Villeneuve, 6, utiliza o navegador Zac, desenvolvido especialmente por seu avô

Escrito por Flavio DeABel às 08h17
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

JARDINS E PATIOS

  lançamento
PÁTIOS

Autor:
Editora: Blume - Espanhol - 2008
Dimensões: 23x23cm - 112 págs.
Capa: Dura
Ref.: 11597
R$ 85,00
Comprar


Quase todo jardim, por menor que seja, tem espaço para dar lugar a um pátio. O autor nos mostra os estilos possíveis e as opções mais práticas que podem ser utilizadas desde o momento de criação dos primeiros esboços, até a construção propriamente dita. Pisos em pedra ou madeira, idéias sobre iluminação, mobiliário e calefação são algumas das sugestões propostas para converter um pequeno espaço em um ambiente ao ar livre bastante acolhedor. Veremos ainda uma descrição das plantas mais adequadas para determinados ambientes e quais as sensações que elas podem causar, como por exemplo, plantas brancas e prateadas, frias e refrescantes para lugares ensolarados, espécies com folhagem abundante para lugares úmidos, e plantas tropicais para dar um ar exótico. Ao mesmo tempo, veremos que algumas plantas, quando colocadas em potes, jardineiras e vasos podem servir para conferir estrutura, cor e textura a um ambiente. Tudo que é necessário saber para que o pátio se transforme numa expressão satisfatória dos interesses e estilo de vida do cliente.

Categoria: Engenharia
Escrito por Flavio DeABel às 08h13
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

BEAUTIFUL WORLD

  Novidade !
MARAVILLAS DEL MUNDO
Grandes obras de la arquitectura, el diseño y la construcción
Autor: Francesco Boccia
Editora: Blume - Espanhol - 2007
Dimensões: 40x36cm - 176 págs.
Capa: Dura
Ref.: 11542
R$ 95,00
Comprar


Este volume apresenta uma seleção das obras mais célebres do extraordinário âmbito do design e da construção. As majestosas pirâmides e templos do Egito, monumentos gregos e romanos, jóias da arquitetura européia medieval e renascentista, maravilhosas construções nas Américas do Sul e Central e surpreendentes estruturas atuais criadas por aclamados mestres são apenas algumas dos projetos que se mostram nesta análise da história da criatividade arquitetônica. A obra faz uso de maravilhosas imagens e textos como ferramentas fundamentais e inseparáveis para ajudar o leitor a captar a força e a grandeza de cada projeto e descrever com detalhes todas as estruturas, superfícies, materiais e cores utilizados. Um livro que tem a habilidade de inspirar o leitor através mais de 250 fotos magníficas

Escrito por Flavio DeABel às 08h11
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

CASA DO FUTURO

  lançamento
CASAS ECOLÓGICAS

Autor: Sergi Costa Duran
Editora: Reditar Libros - Espanhol - 2007
Dimensões: 30x25cm - 192 págs.
Capa: Dura
Ref.: 11589
R$ 145,00
Comprar


"Casas Ecológicas" explora o campo da arquitetura sustentável através de mais de 20 projetos ao redor do mundo, especialmente nos Estados Unidos e Canadá. A grande diversidade de desenhos apresentados, faz deste livro um manual indispensável para arquitetos e pessoas interessadas no tema. O obra contem mais de 300 imagens entre fotos, plantas e ilustrações e explora distintos aspectos do design ecológico, tais como fatores econômicos e decisivos no momento de se escolher os materiais: quanta energia foi gasta para se produzir um determinado produto, sua durabilidade, qual a possibilidade do mesmo ser reciclado ou eliminado de forma segura. Já os aspectos específicos se concentram na regulagem climática, sistemas de aproveitamento de água e planificação geral, entre outros.

Categoria: Engenharia
Escrito por Flavio DeABel às 08h01
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

ELIANA CARMEM

COM UMA SIMPLES TEIA... DEUS FAZ UMA MURALHA!
 
Uma vez um homem estava sendo perseguido por vários malfeitores que queriam matá-lo.

O homem, correndo, virou em um atalho que saía da estrada e entrava pelo meio do mato e, no desespero, elevou uma oração a Deus da seguinte maneira:

- Deus Todo Poderoso fazei com que anjos venham do céu e tapem a entrada da trilha para que os bandidos não me matem!!!


Nesse momento escutou que os homens se aproximavam da trilha onde ele se escondia e viu que na entrada da trilha apareceu uma minúscula aranha.

A aranha começou a tecer uma teia na entrada da trilha.

O homem se pôs a fazer outra oração cada vez mais angustiado:

- Senhor, eu vos pedi anjos, não uma aranha. Senhor, por favor, com tua mão poderosa coloca um muro forte na entrada desta trilha, para que os homens não possam entrar e me matar...

Então ele abriu os olhos esperando ver um muro tapando a entrada e viu apenas a aranha tecendo a teia.

Os malfeitores estavam entrando na trilha, na qual ele se encontrava, e ele estava esperando apenas a morte.

Quando passaram em frente da trilha o homem escutou:

- Vamos entrar por esta trilha.

- Não, não está vendo que tem até teia de aranha?

Nada entrou por aqui. Continuemos procurando nas próximas trilhas.

Fé é crer no que não se vê, é perseverar diante do impossível.

Às vezes pedimos muros para estarmos seguros, mas Deus pede que tenhamos
confiança n'Ele para deixar que Sua Glória se manifeste e faça algo como uma teia, que nos dá a mesma proteção de uma muralha.

Nunca desanime em meio às lutas, siga em frente, pois Deus disse:

"Diga ao fraco que Eu sou forte".

São nos momentos mais difíceis que encontramos em Deus a nossa força.

Tenha um ótimo dia...

Fonte Mensagens e Poemas
http://www.mensagensepoemas.com.br/esperanca/a-aranha.html

Categoria: Direito
Escrito por Flavio DeABel às 07h58
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

09/06/2008


DA EUROPA PARA O SERIDO

LUXO

Um condomínio com chalés de telhados europeus planejados para a neve, piscina termal e ao ar livre, vem sendo construído no alto da Serra de Santana, no Seridó. Ficará pronto ainda este ano.

(Vicente Serejo)

Escrito por Flavio DeABel às 22h47
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Agenda

Agenda

Hoje, 9/6

Grupo de "Amigos da Bolívia", que inclui um representante do Brasil, promove reunião em La Paz para tratar da crise política que o país vive

Presidente norte-americano George W. Bush inicia série de visitas a países da Europa

Folha promove sessão gratuita de "O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro" e bate-papo com Paloma Rocha e Joel Pizzini, no cinema Unibanco Arteplex do shopping Frei Caneca, em São Paulo

Receita libera consulta ao primeiro lote de restituição do Imposto de Renda

Amanhã, 10/6
IBGE divulga o resultado do Produto Interno Bruto do país no primeiro trimestre

Quarta-feira, 11/6
Decisão da Copa do Brasil entre Sport x Corinthians, no estádio Ilha do Retiro, em Recife (PE)

Estréia no Teatro Folha, em São Paulo, "Confissões das Mulheres de 30", com texto de Domingos Oliveira

Quinta-feira, 12/6
Banco Central divulga a ata de sua última reunião, que detalha os motivos da alta na taxa básica de juros, a Selic, para 12,25%

Na Irlanda, realização do referendo sobre o Tratado de Lisboa, que determina regras em diversos setores para os países membros da União Européia

A atriz Giulia Gam narra "Pedro e o Lobo", com orquestra, no auditório Ibirapuera, em São Paulo

Sexta-feira, 13/6
O Masp abre ao público exposição sobre desenhos espanhóis do século 20, com obras de Dalí, Picabia, Miró, Picasso, entre outros

Nos cinemas estréiam "O Incrível Hulk", com Edward Norton, e "Fim dos Tempos", de M. Night Shyamalan

 

 

Escrito por Flavio DeABel às 22h43
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

08/06/2008


Professor de Harvard propõe menos imposto para mulher

Tributação por gênero proporciona vantagens econômicas e sociais, diz economista

Para pesquisador, proposta aumenta o PIB, diminui a carga tributária em geral e também muda as relações do trabalho doméstico


CRISTIANE BARBIERI
DA REPORTAGEM LOCAL

Alberto Alesina, professor de Economia da Universidade Harvard, lançou, no fim do ano passado, uma discussão que colocou em xeque sua respeitada carreira acadêmica: as mulheres trabalhadoras deveriam pagar menos impostos do que os homens. Dessa maneira, defende Alesina, não só seriam incentivadas a ir ao mercado de trabalho, como o PIB (Produto Interno Bruto) cresceria, os impostos em geral recuariam e as relações de trabalho dentro da própria casa tenderiam a ser mais justas, no longo prazo.
O tiroteio logo começou.
Acadêmicos acusaram-no de ser "naïve", de trazer de volta propostas radicais do feminismo e de voltar aos tempos pré-Revolução Francesa. Alesina não só rebateu as críticas como viu a proposta ser adotada como plataforma pelo Partido Popular espanhol. Na Itália, um parlamentar de esquerda e outro de direita uniram-se para formular uma lei parecida. As discussões também começaram a ganhar corpo na Alemanha, na Áustria, na França e na Dinamarca. Alesina concedeu à Folha a entrevista a seguir.

 

FOLHA - Como é a proposta?
ALBERTO ALESINA
- Resume-se em reduzir os impostos das mulheres que trabalham, de modo a aumentar sua participação na força de trabalho. Esse tipo de imposto também poderia fazer com que as obrigações entre o trabalho doméstico e o profissional fossem mais bem distribuídas entre marido e mulher porque, para a família, ficaria mais lucrativo que a mulher saísse para trabalhar.

FOLHA - O senhor defende a idéia de que, com as mulheres trabalhadoras pagando menos impostos, o PIB tende a crescer. Por quê?
ALESINA
- Em muitos países, como nos latinos, onde a participação das mulheres na força de trabalho é menor, o aumento do PIB poderia ser substancial. A tributação por gênero pode ser uma política muito mais eficaz do que cotas, ações afirmativas, subsídios etc.

FOLHA - A proposta do imposto baseado em gênero não poderia causar o efeito oposto: aumentar o desemprego masculino e reduzir os salários médios em geral?
ALESINA
- Não, esse é exatamente o ponto. Mesmo se for cobrado um pouco mais de impostos dos homens, eles ainda irão querer trabalhar. Mas, se forem cortados os impostos das mulheres, isso simplesmente iria estimular muito a força de trabalho, e os índices gerais de emprego aumentariam.

FOLHA - Por que essa política deveria ser restrita a mulheres? A redução de impostos não poderia ser usada com outras minorias?
ALESINA
- O problema é que essas políticas implicam o rearranjo e a redistribuição das funções familiares. Há evidências de que as mulheres são especialmente sensíveis ao corte de impostos. Mas não há certeza sobre outras minorias. O que aconteceria com pessoas com origens em raças diferentes?

FOLHA - Por que o senhor defende que a mudança na tributação poderia também transformar o comportamento social?
ALESINA
- No curto prazo, mudar a tributação pode levar mais mulheres ao mercado de trabalho. No longo, criar incentivos para a reorganização da família. Os homens tenderiam a tomar para si mais afazeres domésticos, precisamente porque as mulheres terão de ter tempo para trabalhar fora, e os maridos se beneficiarão do aumento dos salários delas.

FOLHA - Quão grande deveria ser a diferença entre os tributos pagos por homens e mulheres?
ALESINA
- Depende do país e do mercado de trabalho. A diferença pode ser substancial.

FOLHA - Todos os países e culturas precisam de impostos baseados em gênero?
ALESINA
- Culturas nas quais homens e mulheres ocupam essencialmente os mesmos papéis nas tarefas domésticas e no mercado de trabalho não precisam desse tipo de diferenciação, é claro. Mas a maioria das culturas não é assim.

FOLHA - O efeito da tributação por gênero poderia ser maior em países em desenvolvimento, como o Brasil e a China?
ALESINA
- Nos países em desenvolvimento nos quais a participação feminina na força de trabalho é pequena, pode ajudar ainda mais no crescimento econômico. Por outro lado, [o impacto pode ser menor] porque nesses países geralmente há alta evasão de tributos.

FOLHA - Só as mulheres casadas deveriam pagar menos imposto?
ALESINA
- Talvez sim, talvez não. Se você cortar tributos apenas das mulheres casadas, talvez estimule o casamento por razões "erradas". Mulheres sozinhas também tendem a ser mais pobres. Assim, dar a elas uma vantagem pode não ser uma má idéia em termos de proposta redistributiva.

FOLHA - Só as mulheres se beneficiariam dos impostos menores?
ALESINA
- Não, também seus maridos ganham diretamente. A sociedade como um todo poderia ser beneficiada porque mais pessoas trabalhariam e a tributação pode ser
menor em média, precisamente porque mais trabalhadores estariam contribuindo. Com isso, cresceria o bem-estar geral e o PIB.

Escrito por Flavio DeABel às 10h12
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

POLITICA

dedeabel@msn.com

SUCESSAO PRESIDENCIAL

Tentando raciocinar um pouco sobre a politica. Comecemos com a frase do Presidente Lula.

Frases

FALSO MORALISMO

Você tem o dinheiro, a necessidade e as pessoas que precisam, mas, pelo falso moralismo, parte-se do pressuposto de que assinar um contrato com um prefeito é beneficiar o prefeito


LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
dizendo que as restrições da legislação eleitoral são o "lado podre da hipocrisia brasileira", ontem na Folha.

............................................

 

 

B.S.

A oposicao, leia-se principalmente, PSDB e DEM, preocupam-se. As eleicoes municipais estao proximas. O resultado delas refletirá nas eleicoes presidenciais. Terceiro mandato? A elite treme ao pensar na possibilidade de Lula emplacar o terceiro mandato ou eleger a quem apoiar. E a eleicao municipal sera um teste de qual tendencia se confirmará. Particularmente, acho que somente uma reforma politica partidaria e eleitoral, com adoçao de eleicoes gerais será capaz de ajustar e conseguir o equilibrio que tanto precisamos.

A charge refere-se a ministra Dilma, presidenciavel.

E quanto a frase do Presidente? O lado podre da hipocrisia brasileira está sempre nos incomodando. O PT sofreu e sobreviveu ao maior bombardeio possivel e imaginavel com o mensalao. O Mensalao  é o caixa 2, prática antiga na administracao publica. Os paises mais equilibrados nao deixam o caixa 2 incomodar. Paises como o Brasil, com estrutura partidaria inchada, surgem as anomalias. chegamos a falar nas legendas de aluguel. Somos mais de 30 partidos. Precisamos estancar a corrupcao na administracao publica a niveis mínimos.

Noticia boa

Tivemos o anuncio esta semana que a sociologia voltará a ser exigida na Universidade. Noticia boa porque estudaremos o Brasil, os movimentos sociais. Os brasilianistas sabem mais sobre o Brasil do que os brasileiros. Eles dao valor a sociologia. Por exemplo, nao ha um estudo serio, profundo, sobre os partidos politicos no Brasil. Porque? Porque os ricos nao querem ser incomodados com o estudo academico, que tende a ser equilibrado e socialista, ou pelo menos, o estudo sociologico aponta as causas e consequencias de decisoes da adminsitracao publica.

.........................................

RENATA LO PRETE, da Folha SP, NOS FALA DAS INTRIGAS PALACIANAS:

Oportunidade. No depoimento ao Senado, a oposição tentará arrancar de Denise Abreu uma acusação contra Dilma Rousseff e Erenice Guerra no caso do dossiê sobre a ex-diretora da Anac que teria sido montado no Planalto. Quando do surgimento do "banco de dados paralelo" com gastos de FHC, Abreu fez chegar a "demos" e tucanos o relato de que havia sido vítima do mesmo método.

Esfriou 1. Denise Abreu começou a se decepcionar com o velho amigo José Dirceu quando, numa conversa com o ex-ministro, a então diretora da Anac desceu a lenha em Dilma. Ele passou a ficha completa para sua sucessora na Casa Civil, que a partir daí não deu mais sossego à moça.

Esfriou 2. Não chegou a haver rompimento, mas a relação nunca mais foi a mesma.

......................................

 

 

Escrito por Flavio DeABel às 09h58
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

07/06/2008


FILOSOFIA

 

Boletim Seridoense -BS-

 O mundo investe no Brasil. A Amazonia que o diga. O litoral nordestino recebe investimentos europeus. O Euro valorizado beneficia esta situacao. O Brasil, este pedaco do mundo maravilhoso  e cobiçado por todos. Que o Estado brasileiro  lidere um movimento de defesa da Amazonia. Mas, com uma oposicao burra como a nossa, enfraquece o interesse nacional e perdemos por incapacidade de edificar um Estado nacional consciente, eficente e justo.

 

Jorge Araújo - 25.jan.08/Folha Imagem
Área devastada em Alta Floresta, em MT, Estado onde há mais terras em nome de estrangeiros

O litoral nordestino, da Bahia ao Rio Grande do Norte, os estrangeiros investem macicamente.

vvvvv.vvv

vvv.vvvvv

 

CLOVIS ROSSI

Leia o Rossi, por favor

ROMA - Transfiro hoje a coluna para outro Rossi, o jurista e filósofo italiano Guido Rossi (nenhum parentesco, que eu saiba). Está lançando o livro "Porque filosofia", motivo pelo qual deu bela entrevista ao "La Repubblica".

A entrevista percorre diferentes temas, mas me limito, por motivos de espaço, às relações mercados/ Estado.
Diz: "A regulação não se adequou às novas dimensões dos mercados. (...) Basta pensar na crise alimentar, na emergência de uma nova fome mundial, que se discutiu estes dias na cúpula de Roma da FAO: não existem regras à altura da dimensão desta calamidade".

"[Calamidade] que coloca em questão as multinacionais da agroalimentação e da biogenética, os protecionismos supranacionais dos americanos e dos europeus, a estratégia energética, a financeirização do capitalismo, que invadiu até o [mercado] futuro dos gêneros alimentícios necessários para a sobrevivência."

"Enquanto os grandes poderes da economia se movem neste horizonte global, as autoridades públicas carecem de capacidade de projetar-se na mesma dimensão. Devemos começar pela Europa, com a construção, por exemplo, de uma verdadeira agência européia com poderes sobre os mercados financeiros do continente."

Espero que esse outro Rossi se sinta menos solitário ao dizer essas coisas, que são mero sentido comum, mas, ainda assim, estão marginalizadas da discussão. Mas temo que fale sozinho. Ele próprio diz, na entrevista, que "os filósofos de hoje se refugiam na metafísica, falando de um mundo que não existe; fogem de suas responsabilidades".

Será que ele conhece os filósofos brasileiros, parte dos quais, em vez da metafísica, se refugiou em teorias conspiratórias imbecis em vez de pensar esse mundo complicado que nos toca viver?


crossi@uol.com.br

Escrito por Flavio DeABel às 21h21
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

CARRO POLUI

DÚVIDAS ÉTICAS
[mande sua pergunta para
duvidaseticas@folhasp.com.br]

Se eu deixar o carro na garagem uma vez por semana, quanto de CO2 deixo de emitir em 1 ano?

CYRUS AFSHAR
DA REPORTAGEM LOCAL

Um automóvel de baixa potência movido a álcool emite 25 g de CO2 por quilômetro. Parado na garagem durante um dia por semana, todas as semanas do ano, o veículo deixa de emitir 53,4 kg de dióxido de carbono, 20% menos que um carro a álcool mais potente (66,2 kg), de acordo com o cálculo da ONG Iniciativa Verde. Se não tivesse sido contado o CO2 que é absorvido nas plantações de cana-de-açúcar no processo de fotossíntese, o saldo seria pior.

Já um carro econômico a gasolina emite quase seis vezes mais CO2 do que seu equivalente a álcool: são 2.115 kg por ano. Isso significa que, sem circular por 52 dias no ano, esse veículo vai deixar de liberar 301 kg de gás carbônico. Nos carros mais potentes, a economia chega a 382 kg.
Mas essa economia só acontece integralmente se a pessoa decidir andar ou ir de bicicleta para o trabalho, isto é, sem emitir nenhum gás-estufa.

Se a pessoa usar o transporte coletivo uma vez por semana durante o ano todo, 53 kg de CO2 terão sido liberados, por pessoa, no caso do ônibus, e 21,3 kg no caso de metrô, segundo os dados da Companhia do Metropolitano de São Paulo.
Em um ano, os carros da região metropolitana de São Paulo emitem 850 mil toneladas de monóxido de carbono (CO) por ano, de acordo com a Cetesb.

Se um único carro for deixado na garagem semanalmente, ele deixa de emitir 20 kg de CO por pessoa a cada ano. Isso sem falar, claro, do espaço nas ruas. De acordo com o Instituto Akatu, a área ocupada por 50 carros é cinco vezes maior que a de um ônibus com 50 passageiros.
Um carro anda 15 mil quilômetros por ano e tem taxa de ocupação de 1,5 pessoa em São Paulo, segundo a CET.

Escrito por Flavio DeABel às 21h09
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

BRASIL DE CONTRADICOES

Nós somos, ao mesmo tempo, o país mais consolidado em doutorados e o com o maior número de analfabetos. Claro que o segundo dado, 15 milhões de analfabetos, tem a ver com um percentual de uma população enorme. De qualquer maneira, é um número inaceitável e incompatível com o desenvolvimento.

Com os maiores contingentes de doutores e analfabetos da região, o Brasil é um emblema das contradições, diz a brasileira Ana Lúcia Gazzola, diretora do Iesalc (Instituto Internacional da Unesco para a Educação Superior na América Latina e no Caribe).

Categoria: Direito
Escrito por Flavio DeABel às 21h02
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

ESTUDANDO O BRASIL

entrevista

País é emblema das contradições, diz estudiosa

DO ENVIADO A CARTAGENA

Com os maiores contingentes de doutores e analfabetos da região, o Brasil é um emblema das contradições, diz a brasileira Ana Lúcia Gazzola, diretora do Iesalc (Instituto Internacional da Unesco para a Educação Superior na América Latina e no Caribe). Leia trechos da entrevista com a idealizadora do Mapa da Educação Superior. (FM)

 

FOLHA - Como o Brasil está situado no mapa em relação a seus vizinhos?
ANA LÚCIA GAZZOLA -
Talvez o Brasil seja o país emblemático das contradições na América Latina e no Caribe no campo da educação superior. Nós somos, ao mesmo tempo, o país mais consolidado em doutorados e o com o maior número de analfabetos. Claro que o segundo dado, 15 milhões de analfabetos, tem a ver com um percentual de uma população enorme. De qualquer maneira, é um número inaceitável e incompatível com o desenvolvimento. Por outro lado, o Brasil avançou muitíssimo no campo da pós-graduação. É a pós-graduação mais consolidada, mais qualificada, mais bem-sucedida, mais eficiente. O Brasil tem o segundo sistema de pós-graduação em tamanho na região, depois do México. Mas o sistema brasileiro, embora 50% menor do que o do México, é 100% mais eficiente. Enquanto o México formou 5.000 doutores em 2006, o Brasil formou 10 mil com um sistema menor. Ainda assim, nossa matrícula em pós-graduação representa menos de 3% da matrícula total em educação superior. É completamente insuficiente para o desenvolvimento sustentável do país. Somos os dois extremos: estamos péssimos numa ponta e muito bem com relação à região na outra ponta.

FOLHA - E com respeito à relação entre investimento e PIB?
GAZZOLA -
O Brasil está no grupo médio, investe 4,5% do PIB em educação. Não é ruim, o PIB brasileiro não é desprezível. Em ciência e tecnologia, o Brasil é o principal país da América Latina e do Caribe, já ultrapassando 1%, o que é o mínimo que se deve investir para ter um desenvolvimento sustentável, segundo a OCDE (Organização para a Cooperação Econômica e Desenvolvimento). Em termos de privatização do sistema universitário, somos, junto com o Chile, o país mais desequilibrado, com uma oferta muito maior no setor privado em relação ao público. Neste governo começa a haver uma reação positiva, com o Reuni (Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais).

FOLHA - Por que o Brasil ficou para trás na expansão do ensino público superior? Houve menos investimentos?
GAZZOLA -
Certamente. O governo anterior [Fernando Henrique Cardoso] fez uma desmontagem da instituição pública. Fui vice-reitora e reitora [da UFMG, de 2002 a 2006] no período. Houve anos e anos sem concurso público. As pessoas se aposentavam pelo tempo, saíam pelos salários baixos ou houve programas de demissão voluntária tanto no setor de funcionários como no de professores. As perdas não eram repostas, mas as instituições estavam crescendo com muito esforço.

FOLHA - A fuga de cérebros é uma preocupação menor em relação aos seus vizinhos?
GAZZOLA -
É verdade que o Brasil está em melhores condições. Primeiro, como temos 55% dos doutorados da região, há mais chances de que a formação completa se faça no Brasil, diminuindo neste momento da vida do estudante a possibilidade da evasão. Ao passo que os países que não têm doutorado são obrigados a enviar suas pessoas para fora. Em segundo lugar, o Brasil tem um grande sistema de bolsas de doutorado do tipo "sanduíche". A pessoa se beneficia dos recursos que encontra fora, mas volta para defender seu doutorado no Brasil.

Escrito por Flavio DeABel às 21h00
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

PAC APLICA TODOS RECURSOS

Restrição em ano eleitoral é "hipocrisia", afirma Lula

Para petista, limites impostos pela legislação deixam governantes um ano "sem governar"

Presidente diz ter reunido governadores e prefeitos para apressar contratos a fim de não deixar "nenhum centavo do PAC na gaveta"


Sérgio Lima/Folha Imagem

Lula discursa em evento do PAC com governadores, ministros, congressistas e prefeitos, ontem

LETÍCIA SANDER
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva classificou ontem as restrições impostas pela legislação eleitoral de "lado podre da hipocrisia brasileira", resultado, segundo ele, do "falso moralismo" do país. O discurso foi durante cerimônia do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) no Planalto.

"Você tem o dinheiro, você tem a necessidade, você tem as pessoas que precisam, mas, pelo falso moralismo deste país, parte-se do pressuposto de que um presidente ou governador assinar um contrato com um prefeito é beneficiar o prefeito. É o lado podre da hipocrisia brasileira, em que você pára um determinado tempo porque causa suspeição", disse. Ele reclamou ainda que a eleição no Brasil, em vez de ser algo importante para "consagrar a democracia", faz quem governa ficar um ano "sem governar".

A legislação restringe repasses de recursos federais para obras novas nos três meses que antecedem a escolha dos prefeitos. Lula, que já vinha reclamando da regra, ontem subiu o tom. Em fevereiro, ele havia dito: "Se prevalecesse a lógica de que o governo federal não pode fazer parcerias com os municípios no ano que antecede as eleições municipais ou no ano em que o presidente disputa a reeleição, o que não é o meu caso, significa que, num mandato de quatro anos, você vai governar dois anos".

Acelerar
O ato de ontem, com governadores, ministros, congressistas e prefeitos, foi convocado, segundo o presidente, por uma razão: apressar contratos e, com isso, evitar o máximo possível as limitações impostas pela Lei Eleitoral. Até agora, Lula vinha utilizando o PAC para percorrer o país em cerimônias que lotavam os palanques de políticos e eram taxadas de "eleitoreiras" pela oposição.

Ao deixar claro que o governo não quer deixar "nenhum centavo do PAC na gaveta", Lula conclamou governadores e prefeitos a prepararem tudo até o final deste mês -ressaltou que só a Caixa Econômica Federal tem R$ 1,5 bilhão para projetos no período. "Imaginem ficar três meses sem fazer nada porque o prefeito não veio aqui buscar o dinheiro", afirmou.

No evento, foram assinadas ordens de serviço para o início de obras que somam R$ 1,278 bilhão, além de outros R$ 583 milhões em novos contratos de saneamento e habitação.
Lula voltou a refutar as acusações de que o principal programa de seu governo tem um viés eleitoreiro e disse duvidar da existência de algo "mais republicano" do que o PAC, o qual comparou a uma "roda-gigante que não pode parar de girar".

"Eu duvido que algum prefeito de qualquer partido tenha sido preterido no seu projeto por conta de pertencer a uma organização política diferente da minha. Mas eu já vi manchete de jornais: "Governo privilegia os aliados". Para dar uma resposta, na semana seguinte eu fui a São Paulo assinar o PAC com o Kassab, que não é meu aliado, e fui assinar com o Serra, que não é meu aliado."

O petista ainda avisou que em 2009 irá viajar o Brasil inaugurando as obras assinadas ontem. Neste ano, disse, visitará escolas técnicas, universidades federais, estradas e aeroportos. "Porque eu acho que essa roda-gigante precisa ganhar velocidade, em vez de parar. E ninguém está pedindo para diminuir a velocidade, ela vai continuar andando forte."

Escrito por Flavio DeABel às 20h51
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Dr Gentil

Faleceu em Natal o Dr. Gentil Homem Filho aos 79 anos de idade. Odontologo e educador, com larga prestacao de servicos ao Serido residia em Natal e estava sendo submetido a tratamento de saude. Muito respeitado e querido neste sertao, o Dr Gentil deixará muitas saudades e boas lembranças.

Escrito por Flavio DeABel às 19h58
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

06/06/2008


ELIANA CARMEM

ensagem do dia 29/4/2008

 
Regras da Vida
 
Não sinta saudade
tenha boas lembranças
não desespere, sempre há esperança!
 
Se caires, levanta
dá a mão a tua fé
e segue em frente
 
Não tenha dúvidas
e sim certezas
não seja falso
use a franqueza
 
Lute pelos teus ideais
e teus sonhos
mesmo que cometa erros, tente
melhor se arrepender de ter errado
de que arrepender-se por não ter tentado
 
Tanto nos momentos felizes
como nos de tristeza e dor
agradeça sempre ao Criador
Ele sabe o que faz
 
Procure fazer o bem
a recompensa um dia vem
pense em ti, nos outros e nos seus
só assim viverás
em harmonia com Deus.
 
 
José Molina (JIM)

Escrito por Flavio DeABel às 20h06
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

04/06/2008


NELSON DE SA

Toda Mídia

NELSON DE SÁ -
nelsondesa@folhasp.com.br

Invasão russa

No topo das buscas de Brasil por Yahoo News e Google, o despacho da Associated Press acreditando que o "Brasil vai reprimir a invasão da Amazônia por gado". Diz que Carlos Minc relacionou a carne em alta no exterior com o desmatamento. A Bloomberg saudou a "barreira verde" a ser erguida em torno da Amazônia.
Ontem mesmo, no entanto, a Efe destacava que a "Rússia suspendeu o embargo à carne do Estado com o maior rebanho do Brasil". Ele mesmo, Mato Grosso.



O PROTAGONISTA
Chris Helgren/washingtonpost.com
Lula, dado como "um dos protagonistas" em Roma, onde o país "joga seu futuro na batalha" do etanol, segundo o espanhol "El País", aperta mão de Cristina Kirchner, ontem no site do "Washington Post"

"SUJOS DE ÓLEO"
Exaltado em Roma, Lula falou meia hora, levando o primeiro-ministro Silvio Berlusconi a reclamar do tempo que tomou, segundo a BBC Brasil.
No que mais ecoou, até nos telejornais daqui, bradou que "os dedos apontados contra a energia limpa dos biocombustíveis estão sujos de óleo e carvão". Segundo Lauro Jardim, a oratória "é da lavra de Franklin Martins" -ele mesmo, o autor do manifesto do seqüestro do embaixador, em 1969.

SOBRA PARA OS EUA
Os engajados jornais ingleses destacam a "batalha" de Roma, em torno dos biocombustíveis, e indicam que o Brasil conseguiu tirar o etanol de cana, em parte, do foco.
No enunciado do "Guardian", "Subsídios dos EUA aos biocombustíveis estão sob ataque em cúpula sobre alimentos". No "Telegraph", sem distinguir entre cana e milho, "ONU ataca os subsídios aos biocombustíveis que deixam milhões com fome".



"EXPERT"
Em sua série "pergunte ao especialista", o "Financial Times" levou Marc Chandler, especialista em mercado de moedas, a responder sobre aplicação no Brasil, longamente, ontem. Ele declarou que sua "família" tem ações da Petrobras; que "muitos exportadores já sentem a mordida da apreciação do real"; que "o desafio do Brasil é aproveitar o momento para financiar diversificação", mas que os juros novamente crescentes "seguram os investimentos".



AGORA, OS TELEJORNAIS
"Jornal da Record"
Alencar, abrindo o "JR"

Saiu antes no blog do autor de "Caminhos do Coração", da Record: seu último capítulo deu 23 de média, contra 34 da estréia da global "A Favorita". Para a Folha, "foi o pior início de novela das oito nesta década e, provavelmente, em todos os tempos". Para a "Veja", depois, "a pior estréia de uma novela das oito na história da Globo".
No UOL, Ricardo Feltrin sublinhou que o horário nobre da Record avançou por inteiro. O "Jornal da Record" deu 18, contra 30 do "Jornal Nacional". Foi "a primeira vez que um concorrente ficou tão próximo do "JN'". Abrindo a escalada de manchetes do "JR" de anteontem, o vice José Alencar, do PRB da Universal, falou de segurança no Rio.
"A Favorita"
Nem a nudez de Taís Araújo evitou, na segunda-feira, a estréia de 34 pontos de "A Favorita", da Globo, contra 23 de "Caminhos do Coração", novela da Record

Escrito por Flavio DeABel às 21h52
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

BB MULTADA

Você viu?

SEM FESTA

Brigitte Bardot foi multada por um tribunal de Paris em 15 mil (cerca de R$ 37,5 mil) sob a acusação de incitar o ódio racial ao insultar muçulmanos. Bardot, militante pró-direito dos animais, fez críticas a uma celebração em que há sacrifício de ovelha e a outras tradições muçulmanas. Mundo A15

Escrito por Flavio DeABel às 21h48
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

PENSANDO UM POUCO

Frases

COLHEITA

"Colhe-se o que plantou. Você aumenta a exportação de ferro-gusa com carvão de floresta nativa, triplica os frigoríficos, titula ocupações de até 1.500 hectares, licencia obras ilegais e não cobra as multas. Depois espera o quê?"
ROBERTO SMERALDI
da ONG Amigos da Terra, sobre o aumento do desmatamento na Amazônia, ontem na Folha.

TERMÔMETRO
"Não vamos brigar com o termômetro. Vamos agir"
CARLOS MINC
ministro do Meio Ambiente, sobre o sistema de detecção do desmatamento em tempo real do Inpe, cujos dados são contestados pelo governador Blairo Maggi, ontem na Folha.

 

EDITORIAL / BOLETIM MINEIRO:

Semana passada, eu falava aqui no editorial a respeito da região da Bahia que está sendo literalmente “redescoberta” pelos europeus. E não apenas isso, o mais grave é que enormes porções da Mata Atlântica estão sendo destruídas em nome dos fabulosos empreendimentos turísticos que se instalam por lá. Pois bem, a revista Ciência Hoje traz em seu número deste mês uma reportagem sobre isso, inclusive com um mapa mostrando a degradação da Mata Atlântica, ou melhor, do que restou dela.
E tudo isso no momento em que ainda se lamenta a saída da Marina Silva...
Veja o mapa e, se quiser mais detalhes, vá até o site da Ciência Hoje:
http://cienciahoje.uol.com.br/120847



É hora de (re)começar a discutir certas questões ambientais... como eu disse na semana passada, nossos problemas não se resumem à Amazônia!!!

VVVVV

VVV

BOLETIM SERIDOENSE:

Boom imobiliario (e/ou fundiario)? Nao so o litoral baiano. O litoral nordestino. No Rio G do Norte o litoral  tambem conta com altos investimentos de estrangeiros. De repente, a penultima descoberta dos europeus: O Nordeste, o litoral do Nordeste.

Governabilidade

Se temos mais de trinta partidos e um presidencialismo de coalisao, como nao governar com Medida Provisoria? Os estrangeiros devem adorar este nosso sistema politico tao ineficiente. A Italia, de Berlusconi, hoje faz tudo para controlar a entrada de estrangeiros. No Brasil, as portas sao abertas. Nossos escroques saem do Pais facilmente. Lembremo-nos de Cacciola e tantos outros.

E o litoral do Nordeste e Amazonia, noticias frequentes nos jornais, estao sendo comprados, ocupados por estrangeiros. Como governar um Pais que nao controla suas fronteiras, suas florestas? Os militares brasileiros temem pela Amazonia.


Serido

Aqui neste sertao seridoense, de tantas ceramicas e poucas arvores. Esperamos o que?
Se incentivamos as pessoas sairem do campo para a cidade, mas nao oferecemos empregos dignos, esperamos que a solucao caia do ceu?

Se em pleno seculo XXI Caico nao tem um Distrito Industrial, e tambem nao tem um plano de reflorestamento, que esperamos do futuro?

 


Escrito por Flavio DeABel às 21h25
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

MARIO FILHO

RUY CASTRO

Irmão de Nelson

RIO DE JANEIRO - O jornalista Mario Filho teria feito 100 anos ontem. É menos lembrado do que merece, e a posteridade não o tem tratado como a seu irmão Nelson Rodrigues. Mas, em vida, Mario foi tão célebre quanto Nelson, e seu índice de rejeição era zero. Todos o admiravam e lhe estendiam tapetes vermelhos, que ele atravessava com as sobrancelhas tesas, o charuto na boca e um exemplar do seu "Jornal dos Sports" dobrado em quatro no bolso do paletó.

De 1926 em diante, Mario inventou quase tudo na crônica esportiva. Foi o primeiro a sacar que, se havia um jogaço de futebol no domingo, por que não falar dele desde a segunda-feira anterior? Era só passar a semana entrevistando e fotografando os jogadores, fazendo suspense, dramatizando o espetáculo. Foi Mario quem, em 1935, conferiu ares de eternidade ao Fla-Flu. E foi também quem fez do passado do futebol um épico, um episódio da história -mesmo que o fato que estivesse narrando tivesse se dado na véspera.

Sem Mario, o Maracanã não teria sido no Maracanã, mas em Jacarepaguá, então mais longe que Deus-Me-Livre. Em 1951 e 1952, o estádio sediou as duas únicas edições da Copa Rio, criada por ele, reunindo os grandes times do mundo e vencidas, na ordem, por Palmeiras e Fluminense. Era um cartola sem pasta do futebol, mas benigno.

E não só do futebol. Em 1932, foi o criador do concurso das escolas de samba no Carnaval. Criou também os Jogos da Primavera e os Jogos Infantis, promoveu o remo e o jiu-jitsu, escreveu livros. Com "O Negro no Futebol Brasileiro", pensou que fosse entrar para a Academia Brasileira de Letras. Mas não teve tempo de se candidatar.
Não o conheci. Morreu em 1966, um ano antes que eu começasse em jornal. Tinha apenas 58 anos, idade ridícula para pegar o boné.

Escrito por Flavio DeABel às 21h17
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

MEDIDAS PROVISORIAS NO BRASIL

Leis do mínimo esforço

MELCHIADES FILHO

BRASÍLIA - Acostumado a legislar por decreto, o Planalto se enrosca toda vez que remete, ou planeja remeter, uma idéia ao Congresso. Tome-se o caso do Sistema S. O Ministério da Educação reclamou da falta de transparência e critério dos contratos de qualificação de mão-de-obra e se propôs a abrir e refazer as contas da contribuição que as empresas recolhem e administram. Lula deu trela. Encomendou um projeto de lei. Que, depois de pronto e causar rebuliço, repousa no gaveteiro da Casa Civil.

Existe, do mesmo modo, sempre uma desculpa à mão para adiar o envio ao Congresso de medidas para sobretaxar e conter o consumo de cigarros e bebidas alcóolicas.
Nada garante, também, que, uma vez enviadas, as propostas do Executivo sejam aprovadas a toque de caixa pela base que ele comanda.

Está parado há um ano, por exemplo, o projeto que coíbe a ação de "anfíbios", concebido depois que se revelou que auditores da Receita tiravam licença para ajudar empresas a pagar menos tributos.
Mesma sorte teve o texto que fixa a aposentadoria dos funcionários públicos com base no teto do INSS.
Nem o programa mais caro à agenda eleitoral do governo é exceção. As alterações de lei previstas pelo PAC se arrastam há 15 meses.

Não há novidade, portanto, na atitude vacilante do Planalto sobre a recriação da CPMF (também porque a urgência de Lula, neste caso, é desidratar o projeto de regulamentação da emenda 29 e impedir o aumento dos repasses obrigatórios do Orçamento para a Saúde, e não ampliar a arrecadação federal).

Quando não apela a medidas provisórias, Lula toca sua pauta legislativa no ritmo "devagar e sempre". Esse prolongamento dos debates pode ser ser visto como uma opção democrática, um jeito de melhorar os projetos. Ou, se você preferir, como um descompromisso com as mudanças de fundo e/ou uma simples ausência de convicções.


mfilho@folhasp.com.br

vvvvvvvv

vvvvv

vvv

 

BOLETIM SERIDOENSE - Aqui na minha insignificancia de leitor de jornais, internet e televisao, fico pensando: O Melchiades Filho catuca o cao com a vara curta. Se ele fosse o Presidente, faria a mesma coisa. Neste sistema presidencial de coalisao, quer dizer, o PT-PR-PMDB-PSB torna possivel uma governabilidade minima. E se torna necessario a utilizacao de medidas provisorias. Nao porque o Presidente quer. Mas a governabilidade exige.

Se nao age, critica-se. Se utiliza-se a MP, critica-se. Mas nao se aponta a solucao. Como acabar com as Medidas Provisorias? Sarney, Collor e Fernando Henrique reclamaram dos problemas de (in)governabilidade. Lula pegou o barco andando.

Como governar o Brasil neste atual sistema sem medida provisoria? Melchiades nao se da ao trabalho de estudar e explicar porque a edicao de tantas medidas provisorias. Ele prefere o caminho curto da critica miope. Mais facil para jornalista sem tempo de analisar a questao.

 

Escrito por Flavio DeABel às 21h15
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

OPINIAO 1

CLÓVIS ROSSI

Verdades fora de moda

ROMA - Parecem razoavelmente mapeados os responsáveis pela disparada de preços da alimentação no mundo todo, inclusive no Brasil. Alta do petróleo (e, como conseqüência, aumentos nos fretes e no preço de fertilizantes e outros derivados); especulação nos mercados futuros; a debilidade do dólar norte-americano; a redução dos estoques mundiais; e (a parte positiva) o aumento do consumo em gigantes como China e Índia, para não falar do Brasil.


Como ninguém, salvo um ou outro tarado, pode ser contra o aumento do consumo, aos governantes restaria, em tese, enfrentar as demais causas. Não podem ou não querem. Ou as duas coisas ao mesmo tempo, como se vê com clareza na Cúpula sobre Segurança Alimentar, inaugurada ontem.

Quem manda no petróleo, na especulação e até no câmbio são os mercados. Ponto. A ActionAid, ativa organização não-governamental, calcula que a especulação nos mercados futuros movimentou US$ 1 bilhão por dia em fevereiro e março, o que criou "um divórcio" entre o que de fato é produzido na terra e o que vale a produção nos mercados futuros.

A ONG aponta o dedo também para empresas do setor agrícola que não fazem parte dos mercados financeiros. "A gigante de processamento de alimentos Archer Daniel Midland informou um aumento de quase 700% nos lucros de sua divisão de serviços agrícolas no primeiro trimestre de 2008", diz nota da ActionAid.

Conclui: "Está claro que as corporações transnacionais estão obtendo lucros recordes com alimentos enquanto as pessoas pobres pelo mundo afora não conseguem comer. É uma ilustração particularmente grotesca de como a economia mundial está organizada para o benefício dos ricos".
Muita gente vai dizer que é demagogia, que é uma retórica démodé.
Mas é mentira?


crossi@uol.com.br

Escrito por Flavio DeABel às 21h02
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

UNIDOS CONTRA TORTURA

Rafael Andrade/Folha Imagem
Grupo se reúne em frente à Câmara do Rio em ato de repúdio à tortura de jornalistas de "O Dia"

Escrito por Flavio DeABel às 20h58
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Painel

RENATA LO PRETE -
painel@uol.com.br

Curto-circuito

A Eletropaulo, que parecia ter entrado no caso Alstom a reboque do Metrô, pode se revelar problema maior para o PSDB. Quem teve acesso a dados da investigação na Suíça afirma: trata-se de encrenca que, no Brasil, atinge acima de tudo o setor elétrico.
Balanço fiscal da Alstom de 15 de maio de 2001 aponta o interesse na Eletropaulo. O documento cita o contrato "Gisel 2", com transformadores de R$ 100 milhões, como prioridade no orçamento da empresa, ao lado de subestações de gás em Singapura e Dubai e sistemas de geração de energia na Flórida. Dois tucanos chefiaram a pasta estadual de Energia na época: Mauro Arce, atual secretário de Transportes, e Andrea Matarazzo, secretário das Subprefeituras.



E aí? Deputados petistas se reuniram com o presidente do BB, Lima Neto, em busca de detalhes sobre o negócio com a Nossa Caixa. Queriam saber se haverá fechamento de agências ou demissões. Ouviram que, com a incorporação, as garantias são maiores do que nos casos de venda.

Veja bem. A maior preocupação era saber se Lula e José Serra tinham feito algum acordo. Lima Neto disse que os detalhes técnicos foram traçados entre ele, o secretário Mauro Ricardo (Fazenda) e a direção do banco paulista.

Vida nova. Acusado de vender sua cota de passagens aéreas quando deputado, Maurício Rabelo arrumou novo emprego: é o locutor dos eventos no Palácio do Planalto. Já a agência Katar, usada no esquema de venda de bilhetes, fechou as portas, e o dono montou restaurante.

Enrolado. O STF recebeu pedido de investigação do Ministério Público Federal contra o senador Edison Lobão Filho (PMDB-MA) por suspeita de "crimes contra a fé pública", "falsidade ideológica" e "formação de quadrilha". A petição, de número 4322, está nas mãos do ministro Carlos Alberto Direito.

Grampolândia. O novo presidente do Supremo, Gilmar Mendes, planeja implantar, no âmbito do CNJ, um sistema informatizado de acompanhamento de todos os pedidos de interceptação telefônica autorizados pela Justiça.

Claque. Paulinho (PDT-SP) vai aproveitar a presença maciça de sindicalistas, que irão hoje à Câmara entregar abaixo-assinado pela redução da jornada, para pressionar o Conselho de Ética, que analisará o pedido de abertura de processo contra o deputado.

Quitanda. O DEM fará amanhã o "Feirão da Inflação" na Câmara, com os alimentos que mais subiram de preço. A idéia é dizer que, enquanto as pessoas gastam mais para comer, o governo Lula quer criar novo imposto.

Última que morre. A convenção do DEM, no dia 14, deixará em aberto a vaga de vice na chapa reeleitoral do prefeito Gilberto Kassab. A convenção do PSDB, que deve oficializar a candidatura de Geraldo Alckmin, está marcada para a semana seguinte.

Líquido e certo. Quem no "bloquinho" ainda trabalhava pela aliança com o PT em São Paulo jogou a toalha: Aldo Rebelo (PC do B) será sagrado candidato em convenção no dia 29. O PSB vai junto, e o PDT, provavelmente.

Te vejo depois. Segundo raciocínio disseminado no "bloquinho", a realidade das duas candidaturas no campo demo-tucano eliminou a possibilidade de as três siglas, aliadas ao PT no plano federal, serem responsabilizadas pelo isolamento de Marta Suplicy, pois é certo que a eleição terá segundo turno.

Índex. Após a divulgação das despesas dos seguranças da família de Lula no ABC e em Santa Catarina, que acabaram ignorados pela CPI dos Cartões, a Presidência omitiu os dados referentes a R$ 1,8 mi gasto de janeiro a abril.

com VERA MAGALHÃES e SILVIO NAVARRO

Tiroteio

Sem fonte de recursos definitiva, 50 mil pacientes de câncer do SUS terão menos chance de cura por falta de acesso à radioterapia. Isso tem de ficar claro para o Congresso.

Do ministro da Saúde, JOSÉ GOMES TEMPORÃO , defendendo a aprovação da nova versão da CPMF para financiar o setor.

Contraponto

Balcão de farmácia

Antes de embarcar em viagem oficial aos EUA, na semana passada, deixando o cargo sem substituto definido, devido a limitações impostas pela Lei Eleitoral, a prefeita Luizianne Lins teve um embate em Fortaleza.
Criticada, a petista alegou que seus adversários estavam com os nervos à flor da pele.
-Por favor, tomem um "Lexotanzinho'!
Na Assembléia, o tucano João Jaime devolveu:
-Ela é que tem de tomar Gardenal!
Mais tarde, informada por repórteres da declaração do líder da bancada do PSDB, Luizianne não titubeou:
-Pois é, eu sou a louca que deu certo!

Escrito por Flavio DeABel às 20h55
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

O PODER CORROMPE?

CARLOS HEITOR CONY

O poder e o crime

RIO DE JANEIRO - Não sei não. Acho que deve ser o espírito de porco que toma conta de mim e que me obriga a ser sempre do contra, duvidando de tudo, das verdades estabelecidas e, sobretudo das meias verdades, chegando ao ponto de duvidar até mesmo das mentiras.

Procuro ler atentamente a transcrição de conversas telefônicas que são divulgadas pela imprensa, provando o suposto comprometimento de autoridades com ações criminosas. Sinceramente, leio e releio os trechos assinalados como indicativos de tramóia, mas, fora do contexto, não consigo formar uma opinião a respeito.

Outro dia, o Janio de Freitas disse em seu artigo mais ou menos o que estou dizendo. Os diálogos grampeados podem ser interpretados de muitas maneiras. Mesmo dando o desconto dos códigos usados nessas conversas, a coisa fica meio nebulosa. Raramente são dados os nomes dos bois e dos movimentos gerais da boiada. No máximo, apanham-se dois ou três novilhos desgarrados.

Lembro um caso ocorrido no governo de FHC que provocou a demissão espalhafatosa de duas altas autoridades do sistema financeiro. Em algumas gravações, era ouvida a própria voz do presidente da República, num diálogo com um de seus auxiliares mais próximos, que acabou saindo do governo coberto de graves suspeitas.

Também no caso da violação do painel do Senado, ainda no governo de FHC, apareceram gravações em que o presidente seria o beneficiário das informações obtidas de modo ilegal. Apareceram bodes expiatórios e tudo ficou por isso mesmo.
Evidente que entre o céu e a terra existem muitas coisas além dos aviões de carreira (Shakespeare & Barão de Itararé). Há uma certeza absoluta sobre a corrupção do poder e a impunidade do crime. Simplificando: o crime acaba sendo o próprio poder.

Escrito por Flavio DeABel às 20h48
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

ALGEMIX NELES


Escrito por Flavio DeABel às 20h45
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

AH, ELEICAO E POS-ELEICOES

AH AH AH

Escrito por Flavio DeABel às 20h35
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

03/06/2008


VICE DE BIBI

POLITICA CAICOENSE

Leio nos blogues seridoenses que o vice de Bibi sera Gilberto Costa, que quer trazer o Presidente Lula a Caico. Dificil, mas nao impossivel. Sabemos da luta do Presidente para tornar este pais governavel. Gilberto sera um otimo vice prefeito. Atuante e com transito na esfera federal. 

 

PROJETO DE NAÇAO

No blog de Salomao ele publica que nao temos um projeto de naçao.  As razoes do atraso brasileiro, como explicá-las? Tive o privilegio de concluir dois cursos na Universidade Federal. E, infelizmente, nao vi a estrutura da UFRN trilhar o sucesso. Nao conseguimos articular o esforco educacional com o esforco empresarial. Fiquei sabendo que a USP tem os recursos a ela destinados de acordo com a arrecadacao de impostos. "Sao Paulo nao pode parar", e conseguiram uma maneira, ainda que tenue, para dinamizar o ensino.

EDUCACIONAL X EMPRESARIAL

Aqui no RN, e pior, ainda, no sertao do RN a coisa é mais desarticulada. O setor privado e o setor publico nao se articulam em prol da UFRN. Projetos para educacao nao sao executados seriamente. Projeto de Naçao inconsistente, portanto.

A cobiça do mundo nos ve com satisfacao.Nao é a toa que os investimentos estrangeiros no litoral nordestino é extraordinario. Investimento desconcentrado, particular. O europeu deve pensar: 'que bom que eles nao tem um projeto de nacao'. Fica melhor para a cobica do mundo nos explorar.

 

Escrito por Flavio DeABel às 09h00
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

01/06/2008


MERCADO X ESTADO

BOLETIM SERIDOENSE:

O brasileiro nao distingue bem o que é publico e o que é privado. Primeiro, nao entendemos bem o que é governo. Governo Federal, Estadual e Municipal. Adverte-nos o psicanalista Jurandir Freire que nós, brasileiros, achamos que existe o superHomem. No caso, o Presidente da Republica. Que tudo pode resolver. Nao pode. O presidente nao é o todo poderoso que tudo pode.

Lembremo-nos de Collor. Pilotou jatos, andou de motocicletas. Encarnava o super-homem. Com os punhos cerrados, para cima, dizendo que colocaria o Brasil nos eixos. Deu no que deu. O Presidente do Brasil nao é o superhomem como gostariamos que fosse. 

Que resolvesse o problema da corrupcao, da educacao e da saude. Ah, seria bom! Infelizmente a realidade é de politicos, prefeitos, governadores, deputados, comprometidos com seus grupos de apoio. 

 

VVVVV

VVV

Numa referência à apresentação da ministra, com detalhes sobre as obras do PAC, o antropólogo Roberto da Matta disse que a elite política não dá espaço para críticas: "Durante a vida inteira esperei a esquerda chegar ao poder para ver o Brasil mudar. A esquerda chegou ao poder e o país não mudou".

 

VVVVV

VVV

BOLETIM SERIDOENSE:

Esquerda chegou ao poder. Que esquerda? Sera que a esquerda domina os poderes municipais? Quanta corrupcao nos municipios. Quantos municipios sem defensorias publicas. Somos mais de trinta partidos politicos. DaMatta, quais sao os de esquerda? DaMatta  é professor nos Estados Unidos e eventualmente vem ao Brasil. Qual a influencia do Poder municipal no direcionamento, aplicaçao dos recursos publicos? Quantos prefeitos sao afastados por improbidade? 

As elites nao quiseram, por um bom tempo, o estudo da sociologia nas universidades brasileiras. Por que será? Para que os sociologos nao expliquem os movimentos sociais. Os estrangeiros estudam mais o Brasil que os brasileiros. Como compreender o Brasil? Achando que existe uma esquerda monolítica. Nao existe. Existem bons e maus politicos. Se as verbas nao estao chegando aos hospitais, as escolas, sou forçado a concluir que os maus politicos estao vencendo.

VVVVV

VVV 

 

 

                  A luz amarela está acessa aos gestores públicos e isso exige uma posição mais efetiva dos três níveis de governo e a celebração de parcerias entre os setores público e privado para que o caos instalado não se aprofunde.  Bem sabemos que o mercado, nossos empresários, a sociedade brasileira, têm suas conhecidas limitações. Nada que se compare, contudo, ao insólito e trágico desperdício que as obtusas políticas públicas vêm trazendo ao nosso país nestes últimos 30 anos. E muito pouco mudou, ultimamente, mesmo com fé de que estejamos, paulatinamente, melhorando.

A democracia convive com todas essas formas de banditismo, da criminal à social, ora fazendo valer a lei, ora gerando consensos sobre o que é ou não é socialmente aceitável. O problema existe quando as coisas se misturam e um bando social, chegando ao poder, se alia a bandidos comuns (no sentido criminal) e às "caciquias" tradicionais clientelistas, instaurando outro tipo de banditismo: o de Estado, que tanto pode cometer crimes no varejo (sob o perigosíssimo manto da impunidade) quanto perverter a política e degenerar as instituições no atacado. É a via Putin. Contra essa eventualidade, porém, a democracia não tem proteção eficaz.

AUGUSTO DE FRANCO, 57, analista político, é autor, entre outras obras, de "Alfabetização Democrática". Foi conselheiro e membro do Comitê Executivo da Comunidade Solidária durante o governo FHC (1995-2002).


VVVVV

VVV

Boletim Seridoense:

O analista politico Augusto de Franco deveria promover uma seria analise sobre o municipalismo brasileiro. Principalmente estudando e diagnosticando as causas da improbidade administrativa nos municipios. Antes, os simpatizantes do PSDB defendiam o municipalismo. Abandonaram o barco. Preferem criticar o Governo Federal. Esqueceram o municipio. Esqueceram a reforma politica. Por que sera?

vvvvv

vvv

 

CLÓVIS ROSSI

De preços e de mãos

ROMA - A conferência da FAO sobre segurança alimentar, que começa na terça-feira, foi recebida ontem pela seguinte manchete do jornal italiano "La Repubblica": "Pão e massas fazem voar a inflação". Voar é um certo exagero. Chegou a 3,6% nos 12 meses até maio. De todo modo, é o maior número desde 1996.
Na Espanha, a inflação de maio chegou ao ponto mais alto desde 1995. Daria até para dizer que se trata da globalização da inflação, um animal que parecia em vias de extinção até faz bem pouco tempo.

As respostas que podem dar os governos demonstram que seu raio de ação é cada vez mais limitado. É verdade que a cúpula da FAO deve afirmar a necessidade de políticas públicas de segurança alimentar. Mas é o tipo de "saludo a la bandera", como gostam de dizer os argentinos: inclina-se a cabeça diante dela ao passar, mas depois a vida continua sem nem sequer lembrar-se da bandeira.
Congelar preços? Nem o Brasil, especialista na matéria durante anos, pensa nisso. Não funcionou, a não ser por períodos curtos.


Fazendas coletivas para produzir os alimentos que escasseiam e ajudam a disparar os preços? Está caindo de moda até mesmo em Cuba, um dos últimos redutos do Estado-agente econômico.

O Brasil até que poderia dar exemplos de como políticas públicas ajudam. O estímulo à agricultura familiar, que responde por 70% da produção de alimentos, fez com que a cesta básica no país subisse apenas 25% nos últimos três anos, contra 83% no mundo.
Mesmo assim, não basta. Tanto não basta que o presidente Lula acaba de acenar com "remédio amargo" para enfrentar a inflação em alta.

Parece claro que, nessa área como em outras, não se achou ainda um correto equilíbrio entre a mão invisível do mercado e a mão pesada demais do Estado.

VVVVV

VVV

BOLETIM SERIDOENSE

Sim, o Rossi tem razao. Mas esquece que a mao invisivel do Mercado está nas maos dos empresarios, dos banqueiros, nas maos de quem tem dinheiro. Quem nao quer o equilibrio? Os banqueiros, os industriais, os sindicalistas?

Lula tem nomeado ministros provindos do setor privado. O Presidente sabe que a governabilidade passa pelo apoio das forcas economicas. O Estado precisa do setor privado e vice versa. Busca-se o equilibrio. Mas vemos uma oposicao burra dos DEM e PSDB que temem a perpetuacao dos aliados do Presidente. 'Deus escreve certos em linhas tortas'.

"Parece claro que, nessa área como em outras, não se achou ainda um correto equilíbrio entre a mão invisível do mercado e a mão pesada demais do Estado". (Rossi)

A mao invisivel do mercado e a mao pesada demais do Estado. A analise deste assunto pode originar um Tratado, um estudo academico, profundo. As eleicoes municipais serao um forte indicador das tendencias no Brasil. Apos as eleicoes estudos deverao tentar radiografar o que acontece, as tendencias, para onde caminhamos, o que queremos, o que precisamos.

Escrito por Flavio DeABel às 08h44
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

ESTUDANDO ECONOMIA

BOLETIM SERIDOENSE:

As analises de Belluzzo sao inteligentes. No final deste artigo ele nos pergunta se o mundo aguenta este crescimento global com a utilizacao predatoria e irracional dos recursos naturais. Penso logo no nosso sertao. Caico, Jardim do Serido, Parelhas, Cruzeta, todas, com muitas ceramicas. Um dilema: precisamos de emprego e renda. Sim, verdade. Mas, ao custo da degradacao do meio ambiente?

Quando passamos ao lado das ceramicas, e vendo nossos campos desmatados, qual a perspectiva? O que esperamos no futuro? Dia desses soube que estamos comprando madeira para queimar aos paraibanos. Ja nao temos lenha suficiente. Desejamos o gasoduto, que traria o desenvolvimento. Mas a viabilidade economica nao foi comprovada. Talvez ele, o gasoduto, venha ate Assu. Ao Serido, nao sabemos.

vvvvv.vvv

 

 

LUIZ GONZAGA BELLUZZO

Indagações impertinentes


O gasto familiar americano cresceu bem mais do que a renda, "alavancado" pelo endividamento acelerado


NOS ÚLTIMOS dez anos -entre o primeiro trimestre de 1998 e o mesmo período deste ano- o PIB dos Estados Unidos cresceu 31%, ou seja, 2,7% ao ano. O consumo das famílias avançou 3,4% ao ano e elevou sua participação no PIB de 67,1% para 71,6%. Não é preciso ser esperto para concluir que o "ajustamento" se deu mediante a redução da poupança das famílias, que despencou de 4,7% para 0,2% do PIB. Utilizo os dados do economista Michel Husson.

Os gastos das famílias norte-americanas cresceram bem acima da renda disponível, "alavancados" pela expansão acelerada do endividamento. Na última década, contrariando a experiência dos anos 50 e 60, o crescimento do consumo das famílias "descolou" da evolução da renda. Tornou-se cada vez mais dependente do efeito-riqueza.

Já escrevi nesta coluna que a forma especificamente capitalista do consumo começa a se definir entre o final do século 19 e a primeira metade do século 20, com a suburbanização das cidades e a difusão dos bens duráveis impulsionada pelo desenvolvimento do crédito e pelas técnicas de propaganda inerentes à concorrência monopolista. A constituição de um sistema de proteção social nos anos 30 e as políticas de sustentação da renda e do emprego contribuíram decisivamente para o avanço do "consumo capitalista".
Esse componente da demanda deve ser assim qualificado por conta da forma de financiamento do gasto.

As novas modalidades de crédito (cartões de crédito, por exemplo) e a valorização do estoque de riqueza ao longo dos ciclos de expansão desvincularam o consumo da renda corrente. Nos últimos dez anos, as famílias norte-americanas usufruíram os benefícios dos ganhos de produtividade dos trabalhadores asiáticos, a despeito do modesto crescimento da renda e do emprego. Não bastassem os ganhos reais que proporcionaram, os emergentes "exportadores" passaram a destinar as reservas acumuladas para o financiamento do déficit em conta corrente dos parceiros consumistas, garantindo taxas de juros módicas para "bancar" a corrente da felicidade.

O modelo norte-americano -se preferir o leitor, sino-americano- suscitou o surgimento de neoconsumidores nos países emergentes de crescimento rápido. A incorporação dos novos contingentes pressionou os preços da energia, dos alimentos e das matérias-primas. O choque de oferta elevou os índices de inflação, neutralizando os efeitos "deflacionários" das escaladas industriais asiática e chinesa.

Muitos indagam se a inflação de commodities -"puxada" pela demanda chinesa e associada à desvalorização do dólar- pode se transformar num descontrole inflacionário global. Nessa quadra de contração do crédito e de desaceleração da economia global, não é trivial avaliar tendências. Há quem relembre os anos 70, invocando a estagflação.

Outros, mais preocupados com o longo prazo, indagam se é possível manter o estilo de crescimento global apoiado nos padrões de consumo em voga, ou seja, na utilização predatória e irracional dos recursos naturais.


LUIZ GONZAGA BELLUZZO , 65, é professor titular de Economia da Unicamp. Foi chefe da Secretaria Especial de Assuntos Econômicos do Ministério da Fazenda (governo Sarney) e secretário de Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo (governo Quércia).

Escrito por Flavio DeABel às 08h30
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

CHUVEIRO

ÁGUA QUENTE

Etiquetas baseadas em avaliações do Inmetro ajudam a comparar eficiência energética dos três sistemas


Chuveiro elétrico é opção mais econômica

COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Comparar sistemas de aquecimento não é tarefa fácil. A equação tem três variáveis: investimento, consumo de água e gasto de energia.
"O usuário tem de verificar quanto está disposto a investir e o que espera do produto", determina Edson Suguino, porta-voz da Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica).
Reduzindo a temperatura conforme aumenta a vazão da água, o chuveiro elétrico é mais interessante economicamente por consumir um volume menor do líquido que os aquecedores a gás.
Enquanto um chuveiro na posição inverno usa cerca de 3 litros/minuto, a ducha de menor vazão adequada ao uso de gás consome 7 litros/minuto.
Aparelhos com aquecimento central -como modelos a gás e solares- precisam de misturador e têm intervalo entre a abertura do registro hidráulico e a chegada da água quente. Isso soma ao consumo o tempo para ajuste da temperatura.
Mesmo que o gasto com aquecimento a gás seja menor que com o elétrico, a conta de água pode inverter a situação.
Na instalação de aquecedores centrais, é preciso usar encanamentos especiais para água quente, com custo superior aos comuns.
"Não se pode esquecer do gasto de manutenção dos aparelhos, com mão-de-obra especializada", pondera Suguino.
Herança cultural de banhos relaxantes ou não, fato é que o conforto pesa na decisão final.
"Entre o chuveiro elétrico e o aquecedor a gás, os gastos mensais são parecidos. O conforto que as duchas a gás proporcionam, porém, é maior, por não reduzirem a vazão de água", avalia Douglas Messina, pesquisador do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo).

Ferramentas
Um bom suporte para comparações entre modelos são as etiquetas do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade).
Com dados sobre gasto e eficiência energética, as marcações podem ser encontradas em chuveiros e em aquecedores solares.
Os sistemas a gás são avaliados pela etiqueta nacional de conservação de energia, que é obrigatória desde abril.
(CC)

Escrito por Flavio DeABel às 08h26
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

SUCATEAMENTO DO ESTADO

Falta de Estado estimula proliferação de ONGs sem capacidade, diz especialista

DENISE MENCHEN
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, NO RIO

A falta de uma presença forte do Estado na Amazônia abre espaço para a proliferação de ONGs, que, mesmo quando bem intencionadas, geralmente não têm capacidade técnica para atuar na resolução dos problemas da região. A avaliação é da pesquisadora brasileira Maria Guadalupe Moog Rodrigues, professora associada no College of the Holy Cross, dos EUA. Ela participou de seminário na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

"A falta de capacidade técnica fica mais evidente com a multiplicação das ONGs, que é um efeito da democracia, mas também do sucateamento do Estado", disse. Segundo ela, esse sucateamento, aliado ao despreparo da sociedade civil, é um dos motivos pelos quais as organizações estrangeiras têm ganhado importância na questão da preservação da floresta.
"Isso pode explicar por que os militares se sentem inseguros em relação à região e por que não há segurança em relação à exploração da biodiversidade", afirmou. A pesquisadora não vê, no entanto, ameaças à soberania nacional. Ela diz acreditar que as comunidades locais "sabem exatamente o que querem" e que as ONGs podem cumprir um papel importante no desenvolvimento sustentável da Amazônia.

Segundo ela, hoje grande parte dos financiamentos internacionais para programas na Amazônia é condicionada à participação da sociedade civil. "O esforço deve ser não de alijá-las do processo, mas sim de fortalecê-las", disse.

Isso poderia evitar, segundo ela, situações como a verificada com a implantação do PAIC (Programa de Apoio a Iniciativas Comunitárias) em Rondônia, nos anos 90. O programa previa o repasse de recursos obtidos junto ao Banco Mundial a organizações da sociedade civil. "Mas as ONGs não tiveram capacidade de responder."


A pesquisadora destacou que a ex-ministra Marina Silva "era uma bandeira muito clara para o cenário internacional" da disposição do governo de preservar a Amazônia. Já Carlos Minc não tem essa identificação imediata com a floresta, o que pode gerar desconfiança no exterior.

VVVVV

VVV

 

BOLETIM SERIDOENSE:

Ha quem diga que o Estado defenda mais os ricos do que os pobres. Entao, o Estado que deve promover a paz social está falhando em sua missao. No caso da Amazonia, num ano de eleiçao, interesses nacionais e internacionais se entrelaçam. Quanto ao nosso sertao, terá o Estado sido omisso na preservaçao do meio ambiente? Falamos na Amazonia, e esquecemos o problema da desertificacao do sertao seridoense. Qual a responsabilidade do Estado, da Prefeitura, do Poder Publico?

O Ministerio Publico tem se preocupado com a poluicao sonora na Capital. Sentimos falta de uma promotoria que cuide da questao ambiental e do Direito Sanitario neste sertao de poucas oportunidades economicas. Embora nossa vontade seja de um desenvolvimento permanente que ofereca oportunidaes aos nossos jovens.

Sucateamento do Estado. Uma realidade nacional. E as ONGs chegam para preencher esta lacuna nao preenchida pelo Estado. Estamos no seculo XXI e Caico, cidade polo deste sertao, nao consegue, por exemplo, liderar, implantar um plano diretor para um desenvolvimento urbano autosustentado.

Escrito por Flavio DeABel às 08h16
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Perfil

Meu perfil
BRASIL, Nordeste, CAICO, Centro, Homem, Portuguese, Arte e cultura, Política
MSN -

Histórico